s
Giovanna Lenzi é responsável técnica pela equipe de Psicologia do Hospital Santa Catarina-Paulista, em São Paulo Crédito: Arquivo Pessoal
ENTREVISTA

“É preciso coragem para se priorizar”

Respeitar o processo interno é parte do aprendizado para se conhecer e se cuidar, como explica a psicóloga Giovanna Lenzi

Por Soraia Yoshida 15/07/2022

A falta satisfação, engajamento e de relação com o trabalho custa às organizações US$ 7,8 trilhões em perda de produtividade. Isso equivale a 11% do PIB global jogados fora por não trabalhar adequadamente aspectos da experiência do colaborador (EX). De acordo com o relatório “State of the Global Workplace: 2022 Report”, da Gallup, ansiedade e estresse podem pesar bastante no desempenho. E, como mostra outro estudo, da Deloitte, nem sempre as lideranças estão atentas a esse fato – e quando estão, acham que a situação é melhor do que na vida real.

A pandemia também serviu como gatilho para o aumento surpreendente nos níveis de estresse, ansiedade, depressão e síndrome de burnout – esta última reconhecida oficialmente como relacionada ao trabalho pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – entre os trabalhadores. Grande parte desses profissionais adoecidos vai parar nos consultórios médicos e hospitais, onde “despejam” suas angústias em busca de alento e respostas. Muito do do trabalho da psicóloga Giovanna Rossi Lenzi, responsável técnica pela equipe de Psicologia do Hospital Santa Catarina-Paulista, é ouvir o que essas pessoas têm a dizer. “Eu brinco que a Psicologia dentro do hospital tem que estar na contramão: enquanto todo mundo está correndo para fazer o corpo sobreviver, a gente tem que andar com calma, observar a cena e ver onde podemos ser um bom instrumento”, afirma.

Para Giovanna, não se pode olhar para o indivíduo de forma separada, colocando o profissional de um lado e essa mesma pessoa em seus momentos de lazer do outro. “Estamos falando de uma pessoa só”, diz ela. “Antigamente se falava para não misturar trabalho com a vida pessoal. Mas a gente precisa misturar porque é uma pessoa só, concorda? Não são várias pessoas separadas, ela continua sendo a mesma seja em casa ou no trabalho. Tudo está interligado”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

Inteligência Artificial

"Temos o dever de nos preocupar"

Em entrevista à The Shift, Reggie Townsend, diretor da prática de ética em dados do SAS, fala sobre o imperativo da ética para a IA e sobre ter um "viés positivo" nas aplicações de impacto.

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Entrevista

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Filip De Fruyt, Professor da Universidade de Ghent, na Bélgica e membro do conselho científico do eduLab 21, do Instituto Ayrton Senna, explica, em entrevista exclusiva à THE SHIFT, que perfis profissionais estão mais aptos a enfrentar...

Jeeves, um unicórnio latino-americano que ruge

Entrevista

Jeeves, um unicórnio latino-americano que ruge

Em menos de 18 meses, a Jeeves captou US$ 368 milhões, tem mais de 3 mil clientes e atua em 24 países. Chega ao Brasil para apoiar startups com crédito sem burocracia

O futuro através da cidadania climática

Entrevista

O futuro através da cidadania climática

Paulo Moutinho, cofundador do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - organização não governamental com 30 anos de atividade na Amazônia e no Cerrado - defende que o protagonismo do Brasil na solução climática mundial ocorra a...

Pete Flint:

Entrevista

Pete Flint: "Leve sua empresa para as corredeiras"

Para o investidor de risco Pete Flint, general manager da NFX, as empresas tradicionais e startups precisam seguir os trechos de água rápida do mercado, porque lá estão as tendências de futuro