s
Uma cultura de experimentação se faz com ideias, pessoas, ferramentas e testes práticos para provar hipóteses até encontrar a melhor solução para um problema Crédito: Pexels
GESTÃO

Construindo uma cultura de experimentação nos negócios

As empresas tendem a alocar tempo e dinheiro de teste para grandes iniciativas, ignorando pequenas ideias que, em conjunto, podem ter um impacto maior com menos risco

Por Soraia Yoshida 21/02/2022

Uma cultura de experimentação se faz com ideias, pessoas, ferramentas e testes práticos para provar hipóteses até encontrar a melhor solução para um problema. Mas também precisa se sustentar no compromisso da organização de não tratar a iniciativa como fogo de palha – tipo “fizemos um teste, pronto”. A cultura de experimentação precisa de tempo e repetição para ser construída: ao longo do tempo, os experimentos vão resultar em inúmeras pequenas mudanças que, de forma coletiva, vão gerar enormes benefícios para a companhia, aponta Stefan Thomke, autor de “Experimentation Works: The Surprising Power of Business Experiments”, lançado em 2020.

“A lição é que não é tão importante se qualquer experimento é bem-sucedido ou se falha; o que importa é como as decisões são julgadas sob incerteza em uma organização”, escreve o professor de Administração de Empresas na Harvard Business School em artigo para a HBR. “As decisões não devem ser baseadas apenas na fé ou na opinião pessoal. Se podem ser testadas, eles deveriam ser”.

Começar uma cultura de experimentação requer duas coisas: dados e adesão dos executivos – ou seja, buy-in. Os dados ajudarão a ganhar o apoio da liderança e com líderes a bordo, é possível ter um programa de otimização para entender o valor dessa cultura e quais potenciais benefícios trará para os negócios. “A cultura de experimentação realmente começa com os executivos abraçando o desconhecido, incentivando os funcionários de toda a empresa a contribuir com ideias e considerando as falhas como entradas de dados e uma parte natural do processo”, defende a estrategista Annie Stone.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Inclusão pode ser a resposta para a crise do burnout

Liderança

Inclusão pode ser a resposta para a crise do burnout

As empresas precisam trabalhar a inclusão muito além do onboarding, criando um espaço em que as pessoas se sentem seguras para se expressar

Por que é tão difícil abraçar mudanças audaciosas?

Gestão

Por que é tão difícil abraçar mudanças audaciosas?

Porque talvez estejamos deixando de fazer as pergunta mais difíceis, diz designer, curador e empresário Seth Goldenberg.

Gestão de mudanças também é cultura e estratégia

Gestão

Gestão de mudanças também é cultura e estratégia

Nunca foi tão necessário repensar toda a abordagem da empresa à mudança. Entraremos em uma época na qual a capacidade de mudar se tornará central para a estratégia corporativa.

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Gestão

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Chegou a época do ano de fazer balanço e, de segurar aquelas pessoas que fazem a diferença na empresa. Já ouviu falar de "stay interviews"?

O que torna o feedback tão difícil?

Liderança

O que torna o feedback tão difícil?

A dor de descobrir lacunas profundas provoca fortes emoções e aciona gatilhos indesejados. Às vezes, a hesitação em aceitar essas lacunas vem das reservas que temos com a pessoa que as apontou

Mais princípios, menos conflitos

Gestão

Mais princípios, menos conflitos

Quando as empresas enfrentam decisões difíceis, princípios bem articulados podem ajudá-las a fazer melhores escolhas. Mais do que declarações vazias se missão e valores. E o que define os princípios?