s
Uma cultura de experimentação se faz com ideias, pessoas, ferramentas e testes práticos para provar hipóteses até encontrar a melhor solução para um problema Crédito: Pexels
GESTÃO

Construindo uma cultura de experimentação nos negócios

As empresas tendem a alocar tempo e dinheiro de teste para grandes iniciativas, ignorando pequenas ideias que, em conjunto, podem ter um impacto maior com menos risco

Por Soraia Yoshida 21/02/2022

Uma cultura de experimentação se faz com ideias, pessoas, ferramentas e testes práticos para provar hipóteses até encontrar a melhor solução para um problema. Mas também precisa se sustentar no compromisso da organização de não tratar a iniciativa como fogo de palha – tipo “fizemos um teste, pronto”. A cultura de experimentação precisa de tempo e repetição para ser construída: ao longo do tempo, os experimentos vão resultar em inúmeras pequenas mudanças que, de forma coletiva, vão gerar enormes benefícios para a companhia, aponta Stefan Thomke, autor de “Experimentation Works: The Surprising Power of Business Experiments”, lançado em 2020.

“A lição é que não é tão importante se qualquer experimento é bem-sucedido ou se falha; o que importa é como as decisões são julgadas sob incerteza em uma organização”, escreve o professor de Administração de Empresas na Harvard Business School em artigo para a HBR. “As decisões não devem ser baseadas apenas na fé ou na opinião pessoal. Se podem ser testadas, eles deveriam ser”.

Começar uma cultura de experimentação requer duas coisas: dados e adesão dos executivos – ou seja, buy-in. Os dados ajudarão a ganhar o apoio da liderança e com líderes a bordo, é possível ter um programa de otimização para entender o valor dessa cultura e quais potenciais benefícios trará para os negócios. “A cultura de experimentação realmente começa com os executivos abraçando o desconhecido, incentivando os funcionários de toda a empresa a contribuir com ideias e considerando as falhas como entradas de dados e uma parte natural do processo”, defende a estrategista Annie Stone.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Mudar, o maior dos desafios!

Gestão

Mudar, o maior dos desafios!

Como vamos aprender de forma contínua em nosso dia a dia? Quão abertos estamos para aprender e inovar de forma contínua?

Por Luiz Meisler *
Experiência do colaborador: precisamos olhar para EX

Tendências

Experiência do colaborador: precisamos olhar para EX

A boa ou a má experiência de um trabalhador pode influenciar sua decisão de mudar de emprego, voltar para uma empresa na qual trabalhou e a probabilidade de recomendar uma organização para outros talentos

Tolerar talentos tóxicos é mau negócio

Tendências

Tolerar talentos tóxicos é mau negócio

Uma cultura tóxica não apenas afastará bons funcionários, mas também dificultará atrair novos, minando a produtividade e as oportunidades de crescimento

CFO: novos papéis e mais possibilidades

Gestão

CFO: novos papéis e mais possibilidades

O Chief Financial Officer enfrenta um dilema: de um lado, a corrida para a transformação digital, e do outro estar aberto a novos papéis

Como incorporar o propósito a todos os níveis da organização

Liderança

Como incorporar o propósito a todos os níveis da organização

A importância de ter um propósito claro e os benefícios de tê-lo provavelmente são claros para a maioria dos líderes, diz a CEO da consultoria BrightHouse Ashley M. Grice

Mulheres na liderança: é preciso criar um pipeline nas empresas

Carreira

Mulheres na liderança: é preciso criar um pipeline nas empresas

Uma pesquisa aponta que mulheres deixam de ser promovidas para cargos de liderança porque são vistas como tendo menos potencial