s
LIDERANÇA

Como convencer pessoas: 5 dicas e 1 livro

Para começar pensando em mudanças, vale a pena dar uma olhada no texto de Carmine Gallo e em um novo livro sobre "fazer acontecer"

Por Silvia Bassi 02/07/2023

Chegou julho, abrindo o segundo semestre. Tudo acelera, e aí todos têm pressa de convencer as pessoas a seguir suas ideias em várias frentes, de novos projetos a propostas de transformação digital de todos os tamanhos.

A chamada “arte da persuasão” não tem só a ver com habilidades de comunicação, mas de encontrar os argumentos certos que façam as outras pessoas enxergarem na sua proposta a melhor alternativa para elas mesmas. No século XXI, palavras têm mais poder, na economia de dados.

Carmine Gallo, autor, ex-apresentador de TV e um especialista na arte do convencimento, foi buscar em Aristóteles (e o texto Retórica) argumentos para escrever um texto curto, mas poderoso, sobre cinco truques de retórica que, segundo ele, continuam valendo mesmo depois de 2 mil anos:

  • Confiança: Aristóteles chamaria de Ethos (ou caráter), e Gallo remete à necessidade primária de estabelecer a confiança entre quem fala e quem ouve. O que você faz fala alto para a plateia que quer convencer. Dê motivos para que suas ideias sejam ouvidas.
  • Razão (Logos): por que as pessoas deveriam se importar com sua ideia? O que ela resolve concretamente? Além de Aristóteles e Gallo, vale lembrar de Clayton Christensen e o velho e bom “jobs to be done”.
  • Emoção (Pathos): tem que empolgar. “A persuasão não acontece sem emoção, já dizia Aristóteles”. Hoje chamamos isso de storytelling. É preciso envolver sua ideia no meio de uma história bem contada, diz Gallo, especialista no assunto (vale ler o livro).
  • Metáfora: quando você usa uma metáfora — que Aristóteles chamava de “beleza verbal” — você tangibiliza a ideia e transforma uma coisa abstrata em algo concreto para o público, diz Gallo.
  • Brevidade: seja breve, valorize o tempo das pessoas. Aristóteles dizia que um argumento deve ser feito “da forma mais compacta e com o menor número possível de palavras”, E use o ponto forte no início da apresentação, quando tem a atenção máxima das pessoas, diz Gallo.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Inclusão pode ser a resposta para a crise do burnout

Liderança

Inclusão pode ser a resposta para a crise do burnout

As empresas precisam trabalhar a inclusão muito além do onboarding, criando um espaço em que as pessoas se sentem seguras para se expressar

Invista na confiança multigeracional

Liderança

Invista na confiança multigeracional

Pesquisas apontam que existe uma dificuldade de comunicação entre os colaboradores da Geração Z com os colegas mais velhos.

Continua difícil atrair talentos

Liderança

Continua difícil atrair talentos

Pesquisas recentes revelam um conflito de interesses entre o que as empresas desejam e o que as pessoas que buscam no trabalho que desejam.

Quando agilidade é ilusão

Liderança

Quando agilidade é ilusão

Embora a maioria das empresas afirme ter feito mudanças ágeis, poucas alcançaram impacto nos negócios, indicando uma discrepância significativa entre a agilidade percebida e a real.

Como o poder se relaciona com a estratégia

Liderança

Como o poder se relaciona com a estratégia

Quando se trata de posicionamento estratégico, a maioria das empresas erra na identificação dos impulsionadores de sua vantagem competitiva, diz Hamilton Helmer

Perguntas são a resposta

Liderança

Perguntas são a resposta

A habilidade de fazer as perguntas mais adequadas, gerarão as melhores respostas e soluções. Importante para as lideranças no mercado, mas pouco explorado por eles.