s
Os atentados de 11 de setembro mudaram drasticamente a indústria de aviação Unsplash/VOO QQQ
SEGURANÇA

Aviação após o 11 de setembro: novas regras e mais tecnologia

O atentado terrorista contra os EUA mudou a experiência de viajar, com a adoção de novos protocolos como scanners de passageiros e o reforço da identificação dos viajantes antes do embarque

Quem viajou para os Estados Unidos antes do 11 de setembro, consegue perceber uma grande diferença entre os atuais procedimentos de segurança dos aeroportos e aqueles que eram aplicados antes dos ataques de 2001 às Torres Gêmeas. No atentado, terroristas sequestraram 4 aviões, o que reverberou na intensificação do controle de passageiros nos terminais e aeronaves em todo o mundo. As mudanças fizeram o governo federal dos EUA gastar mais de US$ 62 bilhões em segurança aeroportuária na primeira década após o ataque.

O diretor de segurança da aviação e cibernética da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), Matthew Vaughan, afirmou ao South China Morning Post que as regras globais da aviação foram revisadas oito vezes desde 2001 para garantir que os protocolos de segurança sejam relevantes nas áreas que precisam ser protegidas.

Novos equipamentos de segurança foram adicionados aos aeroportos, alguns logo após o ataque e outros anos depois. Um deles é o scanner de ondas milimétricas, que escaneia todo o corpo dos passageiros para detectar possíveis objetos escondidos sob a roupa. O dispositivo foi adicionado ao processo de embarque em 2010, após um homem-bomba que fracassou em um ataque ser apreendido em um voo.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Quer inovar? Busque alavancar o intraempreendedorismo

Inovação

Quer inovar? Busque alavancar o intraempreendedorismo

Ao apostar no empreendedorismo interno, as empresas aproveitam o talento dos colaboradores e aumentam as chances de inovar de forma acelerada.

IA e a construção da estratégia

Inteligência Artificial

IA e a construção da estratégia

A IA estratégica é uma ferramenta que pode simplificar a vida dos executivos. Um meio de acelerar o impacto, lidar com disrupções e desbloquear novas oportunidades de mercado. Mas ela deve servir ao negócio e não o contrário.

IA Descentralizada e para as massas

Inteligência Artificial

IA Descentralizada e para as massas

No ano passado, a “descentralização” da IA permitiu que um conjunto mais amplo de empresas e indivíduos interagisse com modelos de aprendizado profundo, antes restritos a instituições com grandes conjuntos de dados. A DeAI estará...

Brasil pode ser um polo de deep techs

Inovação

Brasil pode ser um polo de deep techs

O Brasil tem potencial de ser destaque em alguns temas, como biodiversidade e saúde. É essencial aproximar a ciência do mercado e sistematizar uma estratégia para fomentar a formação de um ecossistema nacional de soluções.

Cresce a

Segurança

Cresce a "tecnologia hostil" em 2023

A natureza das ameaças cibernéticas está mudando e os métodos tradicionais para prevenir ataques estão falhando rotineiramente. As empresas vão precisar ampliar seu escopo de segurança para proteger os consumidores e minimizar o pote...

Em 2023, a IA ultrapassará os limites

Inteligência Artificial

Em 2023, a IA ultrapassará os limites

A partir de 2023, o relógio acelerará. Ferramentas de IA baseadas em linguagem e imagem chegarão aos produtos muito rapidamente. Haverá avanços em direção à Inteligência Artificial Geral (AGI) e certamente veremos uma outra onda de...