s
Crédito: Reprodução Apple
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

A rotulagem de dados pessoais será fundamental nesta década

Apesar da ideia de privacy label não ser nova – particularmente no campo de Internet das Coisas – um movimento da Apple, acompanhado pelo Google, pode finalmente impulsionar a sua adoção

Por Cristina De Luca 13/01/2021

Ao usar serviços bancários pela Internet, comprar roupas em uma loja virtual ou aceitar os cookies de um site, compartilhamos dados pessoais com os prestadores desses serviços. O mesmo acontece ao usar apps mobile dessas empresas. Mas o que acontece com os nossos dados a seguir? Por quanto tempo são guardados? Para quem são repassados e por quê? Na correria do dia a dia, a maioria de nós não se detém muito nessas questões. Mas se quisermos encontrar as respostas, elas geralmente estarão disponíveis hoje nas declarações de privacidade, densas e repletas de jargões.

Para termos condições de saber rapidamente como as organizações coletam, processam e compartilham os nossos dados, a comunidade acadêmica vem estudando há anos a possibilidade de uso de rótulos, semelhantes aos que estamos acostumamos a consultar nos alimentos para saber informações nutricionais e os ingredientes usados para fabricá-los, e em produtos eletroeletrônicos da linha branca, sobre o consumo de energia. A premissa é que de posse das informações adequadas, os consumidores conseguem fazer escolhas mais benéficas.

Há registros de estudos sobre as chamadas privacy labels desde 2001. Em 2018, a partir da vigência do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia (UE), várias organizações holandesas propuseram a criação de um padrão aberto para rotulagem de dados pessoais, mas o projeto não decolou. O European Design também tentou. Países europeus, a própria Comissão Europeia, organizações como DigitalEurope.org e a academia têm trabalhado ainda em rótulos de privacidade com foco em segurança para produtos de Internet das Coisas.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Adoção do Privacy by Design gera vantagem competitiva

Entrevista

Adoção do Privacy by Design gera vantagem competitiva

Produtos e serviços devem ser concebidos e projetados com privacidade como uma prioridade absoluta, até por uma questão econômica, defende Bruno Bioni, fundador do Data Privacy Brasil

Por Cristina De Luca
Ética tem que estar na raiz do design das organizações

Liderança

Ética tem que estar na raiz do design das organizações

O pensamento ético sobre a tecnologia levanta questões como privacidade de dados e o viés algorítmico, que podem criar vulnerabilidades para as companhias

Por Redação The Shift
Insights qualitativos e o Data-Driven Service Design

Big Data

Insights qualitativos e o Data-Driven Service Design

Embora muitas organizações estejam investindo em dados e recursos de design, apenas aquelas que integrarem essas disciplinas terão condições de desbloquear todos os benefícios esperados

Por Redação The Shift
A Lei Geral de Proteção de Dados já pegou

The Shift 360°

A Lei Geral de Proteção de Dados já pegou

A LGPD é apenas um dos vetores para construção de um ecossistema que assume a privacidade como direito fundamental dos brasileiros

Por Cristina De Luca
Acredite, localização garante privacidade

Entrevista

Acredite, localização garante privacidade

André Ferraz, fundador da In Loco, garante que dá para usar tecnologias de localização com ética e proteger a privacidade dos usuários

Por Cristina De Luca
Para 2021 a privacidade se torna um imperativo

The Shift 360°

Para 2021 a privacidade se torna um imperativo

Empresas baseadas em valores éticos elevarão a privacidade, dos clientes e funcionários, a um ativo estratégico para os negócios e um imperativo social

Por Cristina De Luca