s

TENDÊNCIAS

Vá além do NPS na hora de medir a experiência do cliente

Embora olhar só as métricas Voice of the Customer seja uma prática usual, ela tem suas limitações

Por Redação The Shift 14/12/2020

Medir a Experiência do Cliente (CX) ainda é um grande desafio para as lideranças. Em uma pesquisa recente da Pointillist com 1050 profissionais de análise, atendimento ao cliente e marketing, só 21% se mostraram muito ou extremamente satisfeitos com sua capacidade de quantificar o impacto do CX nas métricas de negócios.

Medir só com as métricas Voice of the Customer, como Net Promoter Score (NPS), é uma prática muito usual, mas que tem suas limitações. Normalmente, o feedback do cliente é medido apenas em conjunto, por segmento ou após transações isoladas em pontos de contato individuais. Essa abordagem falha em capturar o contexto exclusivo de um cliente e prejudica sua capacidade de gerenciar com eficácia as viagens e medir as experiências gerais.

Além disso, a fadiga da pesquisa está crescendo, segundo pesquisa recente do Customer Thermometer. Cada vez menos clientes respondem às suas pesquisas, tornando os tamanhos das amostras muito pequenos e os dados estatisticamente insignificantes.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Nunca foi tão importante ser data-driven e customer centric

Data-driven

Nunca foi tão importante ser data-driven e customer centric

Porque ser centrada no cliente e orientada por dados é a única forma de uma empresa realmente fazer transformação digital e gerar produtos e serviços digitais

Por Cristina De Luca
Ele sabe tudo o que o seu cliente diz por aí

Entrevista

Ele sabe tudo o que o seu cliente diz por aí

Rodrigo Helcer, fundador da Stilingue, trabalha para escalar o uso de sua plataforma de Inteligência Artificial, em Português, com foco em Customer Intelligence & Responding em tempo real

Por Cristina De Luca
Na Nova Economia o cliente tem poder

Entrevista

Na Nova Economia o cliente tem poder

Stephanie Fleury, CEO do DinDin, destaca o empoderamento do consumidor graças ao PIX, ao Open Finance e à “fintechização” do mercado

Por João Ortega