s
Crédito: Jan Kopriva/Unsplash

SUSTENTABILIDADE

Um modelo disruptivo para trazer energia livre

A plataforma da Omega traz para o mercado de energia um modelo disruptivo semelhante ao que a cloud computing trouxe para os dados, com a contratação de infraestrutura as-a-service

Por Redação The Shift 14/09/2020

Quase um terço (30%) da energia elétrica consumida no Brasil por empresas é comercializada no mercado livre de energia, ou Ambiente Livre de Contratação (ACL), regulamentado há 22 anos pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). O modelo oferece vantagens, a começar por uma tarifa de energia que pode ser até 30% menor que a tarifa do ambiente de contratação regulada (ACR), e a possiblidade de uso de fontes de energia limpa renovável, como fotovoltaica e eólica, que reduzem a pegada de carbono das empresas.

Mas chegar até esse mercado não é fácil. Seis meses. É o tempo médio que uma empresa leva, passando por consultorias, entrega de documentação, análise de crédito, fiança (que pode chegar a 3% do valor do contrato) e assinatura de papeis, muitos papeis, num processo intensivamente analógico, digamos assim. E quando está nele, o risco da variação de custos é o problema: se ultrapassar o consumo fechado no contrato por um determinado preço, vai ter que pagar o excedente pelo preço do mercado de curto prazo, altamente volátil e potencialmente mais oneroso.

A complexidade do acesso é uma pedra no sapato das empresas pequenas e médias que consomem entre 0,5 MW e 3 MW por ano e que representam um mercado anual de R$ 11 bilhões. É nelas que a Omega Energia está mirando com o lançamento da primeira plataforma digital de compra e gestão de energia no mercado livre que se apoia em um algoritmo para acelerar a contratação e a análise de risco, e oferecer uma tarifa batizada de Smart Flex que se mantém pelo contrato todo, eliminando o risco associado à variação de preço e volume de consumo.

Receba grátis nossa newsletter

A plataforma da Omega traz para o mercado de energia um modelo disruptivo semelhante ao que a cloud computing trouxe para os dados, com a contratação de infraestrutura as-a-service. Usando o algoritmo para minimizar o risco da flutuação de preço, explica Antonio de Bastos Filho, fundador da Omega Energia. A empresa acredita que vai dobrar seu lucro bruto em dois anos, passando de R$ 40 milhões para mais de R$ 100 milhões. Que pode crescer muito com a abertura do mercado livre de energia para consumo residencial, uma promessa do governo para até 2024. Aí estamos falando de um mercado de mais de R$ 100 bilhões ao ano.

Como usar o blockchain para combater a mudança climática

Sustentabilidade

Como usar o blockchain para combater a mudança climática

O investimento de capital de risco em tecnologias destinadas a combater a mudança climática registrou recorde em 2020, atingindo US$ 16,4 bilhões

Por Soraia Yoshida
Indústria de vestuário tem pela frente transformação sustentável

Tendências

Indústria de vestuário tem pela frente transformação sustentável

Modelos circulares estão entre as principais tendências para o futuro da moda no mundo

Por Redação The Shift
GM segue firme e forte com transformação digital

Inovação

GM segue firme e forte com transformação digital

A montadora é uma das forças por trás do avanço dos carros elétricos e vai usar sua experiência para o novo negócio em logística

Por Redação The Shift
CES 2021: as tendências que vão ganhar força

Tendências

CES 2021: as tendências que vão ganhar força

Carros elétricos autônomos, robôs, IA, está tudo na lista, com sessões que vão trazer os figurões das indústrias

Por Redação The Shift
Governança ambiental e IA na medicina serão destaque em 2021

Tendências

Governança ambiental e IA na medicina serão destaque em 2021

Science Mag aponta para os assuntos mais relevantes para a sociedade que estarão em discussão ao longo deste ano, como o aquecimento global e a governança ambiental

Por Redação The Shift
Software e varejo online lideram setores que se deram melhor em 2020

Economia Digital

Software e varejo online lideram setores que se deram melhor em 2020

As Big Techs saíram por cima, mas algumas das empresas com melhor desempenho foram as que atuaram como facilitadoras do trabalho remoto e do comércio eletrônico

Por Redação The Shift