s
A CEO da Nasdaq, Adena Friedman Crédito: Nasdaq

DIVERSIDADE

Faltam mulheres na liderança e nos boards

No estudo levantado pela ONG Catalyst, somente 5,8% das empresas do S&P têm mulheres como CEOs

Por Redação The Shift 10/02/2020

A ONG norte-americana Catalyst, criada em 1962, é uma das referências em ações para melhoria da participação feminina no mercado de trabalho. A pirâmide mostra o percentual de mulheres trabalhando nas 500 empresas do índice Standard & Poor’s 500 (S&P), composto por 500 ativos cotados nas bolsas NYSE e NASDAQ. Só 5,8% das empresas do S&P têm mulheres como CEOs.

Em números absolutos, no final de 2019 eram 29 mulheres CEOs (veja a lista inteira aqui). Mas até o meio de 2020 a lista muda para 27: saem 4, incluindo Ginni Rometty, (anunciada na semana passada) e entram duas novas CEOs. O cenário fica ainda mais complicado quando falamos de raça: mulheres negras (3,8%), latinas (6,2%) ou asiáticas (2,4%) são presença ainda mais escassa na liderança.

A diversidade nos conselhos administrativos é outro ponto: outra pesquisa da Catalyst mostra que é um terreno ocupado majoritariamente por homens brancos (2/3 do total de 5.670 cadeiras em 2018). O banco Goldman Sachs resolveu influenciar o cenário declarando que a partir de 30 de junho de 2020 só atuará na abertura de capital (IPO) de empresas americanas ou europeias que tenham pelo menos uma mulher no board.

Receba nossa newsletter

No Brasil, a pesquisa Panorama Mulher, feita pela Talenses e o Insper, também mapeia a presença de mulheres no mercado de trabalho. O estudo reúne dados de 532 empresas de todos os tamanhos, e identificou que apenas 1% das empresas de capital aberto no Brasil tinham CEOs mulheres em 2019.

Negócios negros são muito importantes

Diversidade

Negócios negros são muito importantes

O Black LUMAscape procura dar visibilidade a iniciativas de mulheres e homens negros e quer ser referência para que outras empresas possam diversificar seus negócios

Por Redação The Shift
Quando a tecnologia é mais inclusiva que as pessoas

Diversidade

Quando a tecnologia é mais inclusiva que as pessoas

"O silêncio completo é muito viciante", diz a escritora Rebecca Knill, que tem implantes cocleares que lhe permitem ouvir. Saiba o que mais ela diz sobre o uso dessa tecnologia

Por Redação The Shift
Faltam mulheres na liderança e nos boards

Diversidade

Faltam mulheres na liderança e nos boards

No estudo levantado pela ONG Catalyst, somente 5,8% das empresas do S&P têm mulheres como CEOs

Por Redação The Shift