s
Crédito: Pixabay

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

3 lições para aplicar IA em serviços financeiros

Simona Gandrabur, líder de inovação do Banco Nacional do Canadá, explica quais os principais desafios para projetos de IA no setor

Por João Ortega 18/11/2020

O potencial da Inteligência Artificial para tornar negócios mais eficientes já é bastante conhecido no mundo corporativo.  Na América do Sul, mais da metade das empresas está aplicando IA por conta do benefício de redução de custos operacionais. Para um em cada três negócios na região, o setor financeiro é um dos mais afetados por projetos de IA. 

Globalmente, o mercado de IA em serviços financeiros foi avaliado em US$ 6,7 bilhões em 2019, valor que deve mais que triplicar até 2025.  “O sistema bancário está à beira da disrupção por conta de tecnologias disruptivas que chegaram nos últimos anos”, afirma Simona Gandrabur, head da estratégia de inovação do Banco Nacional do Canadá. A especialista com 20 anos de atuação no mercado de tecnologia foi uma das palestrantes do evento digital I2AI Experience. “A IA é a mais clara delas”, complementa. 

A executiva ainda destaca outras tecnologias de alto impacto no setor, como a rede Blockchain, cuja aplicação derivou das criptomoedas para soluções de segurança, rastreabilidade e tokenização, e as transações digitais, que permitem maior fluidez no mercado, como é o caso do PIX

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a Cyber Week e assine

Fintechs têm nos desbancarizados uma oportunidade de R$ 800 bilhões

Fintechs

Fintechs têm nos desbancarizados uma oportunidade de R$ 800 bilhões

Entre os que não estão no sistema financeiro, 60% têm celular e acesso à internet, o que facilita o crescimento das plataformas digitais

Por João Ortega
Bancos serão plataformas inteligentes

Fintechs

Bancos serão plataformas inteligentes

O novo sistema de pagamentos instantâneos, o PIX, promete deflagrar uma inédita disrupção no setor de pagamentos do país

Por Redação The Shift
Crédito movido a algoritmos

Entrevista

Crédito movido a algoritmos

Crédito, um dos recursos mais procurados nesse momento, é o que move a Weel, uma startup "mezzo brasileira, mezzo israelense" que, em menos de 4 anos, tornou-se uma estrela no mapa de fintechs locais

Por Silvia Bassi