s
Crédito: Ivan Samkov

TENDÊNCIAS

Trabalho em casa: os escritórios vão morrer?

A possibilidade de que o trabalho remoto se torne um modelo, muito mais do que uma solução emergencial para a pandemia do Covid-19, é uma ideia amarga para o mercado imobiliário

Por Redação The Shift 19/05/2020

O aviso partiu da OMSo coronavírus pode permanecer entre nós para sempre. Precisaremos aprender a conviver com ele. O que inclui manter distância física de aproximadamente 2 metros para qualquer outra pessoa em áreas de convívio social, como os ambientes de trabalho. Quem pode – como Facebook, Google, e aqui a XP Investimentos e a Zee Dog – decidiu estender o home office até o fim do ano. Ou para sempre, como anunciou o Twitter. Prematuro? Talvez. Certo mesmo é que no novo normal a presença nos escritórios será a exceção, determinada pela função ou pela ocasião (até o excesso de reuniões estará em xeque).

É o fim dos escritórioscomo já chegaram a afirmar? Definitivamente, não. Mas, seguramente, o fim dos espaços exíguos entre mesas e cadeiras. O formato de escritório em plano aberto tornou-se subitamente mais arriscado do que revolucionário. Teremos, talvez, a volta das baias e das salas individuais. E das amplas salas de reunião. O que pode levar a aumento de área física, em vez de redução. Ou a um melhor aproveitamento de áreas existentes e cancelamento dos planos de expansão. Cenários que têm embalado a reestruturação do mercado imobiliário corporativo, inclusive aqui no Brasil.

Uma pesquisa realizada pela PwC apontou que um quarto dos CFOs das empresas já estava pensando em cortar boa parte de seus contratos de escritórios. O Selectors Guild, cujos membros ajudam as companhias a alugar espaços em novos edifícios, informou que metade das buscas por escritórios nos Estados unidos havia sido congelada, desde a chegada da pandemia.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Síndrome do Impostor: o lado ruim e o lado bom

Carreira

Síndrome do Impostor: o lado ruim e o lado bom

Pelo menos 70% das pessoas já experimentaram a sensação de que não merecem estar naquele ambiente de trabalho e que alguém vai descobrir que são uma fraude

Por Soraia Yoshida
Hora de reimaginar tudo o que um game é como negócio

Tendências

Hora de reimaginar tudo o que um game é como negócio

Antes os games valiam cada vez menos com o passar do tempo, agora bons games podem se tornar cada vez mais valiosos, ano após ano

Por Cristina De Luca
Como serão os games no futuro?

Inovação

Como serão os games no futuro?

Cloud gaming, mais diversidade e mobile são algumas das tendências que moldam os próximos passos do mercado de jogos online

Por Marina Hortélio
Voltz quer reinventar o ecossistema de duas rodas do Brasil

Entrevista

Voltz quer reinventar o ecossistema de duas rodas do Brasil

O fundador da autotech, Renato Villar, percebeu que o futuro é elétrico, por isso apostou nas motos elétricas com muita tecnologia embutida e com apoio forte de sua comunidade

Por Marina Hortélio
As habilidades da força de trabalho do século 21

Trabalho Remoto

As habilidades da força de trabalho do século 21

Em um mercado mais automatizado e digital, todos os trabalhadores vão se beneficiar de um conjunto fundamental de competências e habilidades

Por Soraia Yoshida
Proibição no Pinterest: marcas começam a ouvir os consumidores

Tendências

Proibição no Pinterest: marcas começam a ouvir os consumidores

A decisão reflete uma tendência mais ampla de mudança da relação mais socialmente consciente entre plataformas de publicidade, marcas e consumidores

Por Karen Middleton, The Conversation