s
Revista selecionou as 100 empresas mais influentes do mundo reprodução/Time

TENDÊNCIAS

Time 100: uma lição em disrupção e inovação para empresas

É a primeira vez que a revista norte-americana aponta as companhias que estão desenhando o futuro

Por Marina Hortélio 02/05/2021

Pela primeira vez, a revista norte-americana Time listou as 100 empresas mais influentes do mundo. A lista, que busca determinar as companhias que estão desenhando o futuro, é dividida em cinco categorias: Pioneiros, Líderes, Inovadores, Titãs e Disruptores. Dentre os selecionados, aparecem desde grandes montadoras, como a GM e Tesla, até plataformas ao exemplo do OnlyFans e Facebook. Escolhido por oferecer serviços bancários aos desbancarizados, o Nubank é a única empresa brasileira que integra a listagem.

Para promover a edição, a Time vem realizando várias lives. A última, nesta sexta-feira (30/0), o TIME100 Talks Most Influential Companies, contou com a participação do CEO da Microsoft, Satya Nadella; do CEO do Airbnb, Brian Chesky; e da atriz, produtora e fundadora da Hello Sunshine, Reese Witherspoon, além do comissário da NBA, Adam Silver, ambos com entrevistas gravadas. Todas essas empresas aparecem na lista da Time.

A lista é o primeiro grande projeto da Time Business, uma nova iniciativa editorial da revista. Para o editor executivo da publicação, John Simons, a Time Business continua o trabalho de apontar as grandes mudanças e tendências. A análise é que a publicação abarca empresas diversas, mas que possuem em comum a capacidade de influenciar seus setores e impactarem o mundo.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Entrevista

"Você pode fazer milagres com apenas um smartphone"

Rodrigo Teijeiro, fundador e CEO da fintech RecargaPay, é o primeiro empreendedor em uma família de acadêmicos. Fez economia, mas escolheu usar a internet para quebrar regras e ajudar pessoas.

Por Silvia Bassi

Entrevista

"Inovação sem direção é carro desgovernado"

Para o Head de Transformação Digital da Suzano, Alexandre Cezilla, a transformação digital é um movimento cultural que precisa contaminar toda a companhia para que possa ser escalável e gerar mudanças

Por Silvia Bassi
“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Entrevista

“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Há mais de cinco anos, Ludymila Pimenta criou a RHlab para ser um laboratório de soluções inovadoras em gestão de gente, mas com potencial de desenvolver talentos e lideranças

Por Soraia Yoshida