s
Rodolfo Santos CEO do BMG UpTech (Divulgação)

ENTREVISTA

Semeador de startups

Rodolfo Santos, CEO do BMG UpTech é um gestor decidido a ampliar a prática de corporate venture no país

Por Cristina De Luca 04/10/2019

O BMG é a grande empresa brasileira que mais negociou e fechou contratos com startups nos últimos 12 meses, de acordo com ranking da 100 Open Startups. E parte desse sucesso de deve à atuação do BMG UpTech, seu braço de corporate venture, criado há três anos com a missão de ser um elo entre boas ideias e o mercado, em diferentes ramos de atividade, não apenas aqueles relacionados diretamente aos negócios do Grupo BMG.

A meta atual é pôr todo o know-how adquirido nos projetos de corporate venture a serviço de outras grandes empresas que necessitem estruturar os seus próprios projetos, diz o CEO Rodolfo Santos, também diretor da Bossa Nova Investimentos, sócia do grupo desde 2017.

Graduado em Engenharia Civil e Engenharia de Agrimensura, com MBA em Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios pela Fundação Getúlio Vargas, Rodolfo foi sempre um estudioso do ecossistema de Inovação e empreendedorismo no Brasil. Conhece bem as dores das empresas já estabelecidas que precisam inovar em velocidades maiores que aquelas permitidas por sua estrutura organizacional. E o quanto as startups dependem de parcerias, investimento e novos clientes para acelerar seu crescimento.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

A vez das healthtechs

Entrevista

A vez das healthtechs

A saúde móvel ganhou maior visibilidade com a crise do Covid-19 e será dominante em alguns anos, aposta Michel Glezer, diretor da Qualcomm Ventures

Por Cristina De Luca
O matchmaker da inovação

Entrevista

O matchmaker da inovação

O trabalho de Bruno Rondani, fundador e CEO da 100 Open Startups, é conectar empreendedores com corporações em busca da Open Innovation

Por Cristina De Luca
5 motivos para fazer inovação aberta

Inovação

5 motivos para fazer inovação aberta

No Brasil, 83% das empresas acreditam precisar de inovação para se destacar no período pós-pandemia, porém apenas duas em cada dez já apresentam estratégias de associação com o ecossistema de startups

Por Redação The Shift