s
Bruno Rondani Fundador e CEO da 100 Open Startups (foto Divulgação)

ENTREVISTA

O matchmaker da inovação

O trabalho de Bruno Rondani, fundador e CEO da 100 Open Startups, é conectar empreendedores com corporações em busca da Open Innovation

Por Cristina De Luca 19/07/2019

A ruptura começa com uma mentalidade de inovação aberta e processos bem azeitados, de forma a fazer a colaboração crescer. Foi por conhecer bem a cultura fechada de grandes corporações e universidade que Bruno Rondani, engenheiro, empreendedor e investidor, decidiu, junto com os amigos Rafael Levy e Carla Colonna, criar a rede 100 Open Startups.

O objetivo deles é ajudar cada membro do ecossistema a decidir sobre onde alocar recursos, tempo, esforço e dedicação em iniciativas desejadas pelo mercado, afastando toda a ineficiência dos fundos, que muitas vezes têm uma influência muito grande, mas pouco contribuem resolver problemas dos consumidores, deixando obsoletos quem até então era líder de mercado.

Nascida em 2016, a rede conta hoje com pouco mais de 8,6 mil startups ativas, 1,3 mil corporações e 15 mil avaliadores. E realiza anualmente um levantamento apontando as startups mais atraentes do ecossistema. O deste ano foi publicado ontem, e tivemos acesso a números exclusivos que nos permitem afirmar que Bruno pensa e age como um catalisador da inovação aberta do Brasil, e como um matchmaker de relações valorosas e promissoras.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

Os alicerces da inovação

Entrevista

Os alicerces da inovação

A missão de Renata Vinhas, consultora de Inovação Aberta da Votorantim Cimentos, é contaminar e inspirar a empresa a buscar permanentemente a inovação

Por Cristina De Luca
Semeador de startups

Entrevista

Semeador de startups

Rodolfo Santos, CEO do BMG UpTech é um gestor decidido a ampliar a prática de corporate venture no país

Por Cristina De Luca
5 motivos para fazer inovação aberta

Inovação

5 motivos para fazer inovação aberta

No Brasil, 83% das empresas acreditam precisar de inovação para se destacar no período pós-pandemia, porém apenas duas em cada dez já apresentam estratégias de associação com o ecossistema de startups

Por Redação The Shift