s
Crédito: Pixabay
INOVAÇÃO

5 motivos para fazer inovação aberta

No Brasil, 83% das empresas acreditam precisar de inovação para se destacar no período pós-pandemia, porém apenas duas em cada dez já apresentam estratégias de associação com o ecossistema de startups

Na Nova Economia, inovação não fica restrita a um universo à parte onde ficam as startups. Pelo contrário, é essencial para o sucesso da economia compartilhada a construção conjunta da inovação entre corporações e startups. Este movimento, conhecido como inovação aberta, vem amadurecendo no Brasil nos últimos anos e foi acelerado pela Covid-19.

Neste cenário, 83% das empresas no Brasil acreditam precisar de inovação para se destacar no período pós-pandemia, porém apenas duas em cada dez já apresentam estratégias de associação com o ecossistema de startups. A Liga Ventures é uma das organizações que visa diminuir essa lacuna, conectando as duas pontas da colaboração e organiza o evento anual Liga Open Innovation Summit. 

Raphael Augusto, startup hunter da Liga Ventures e um dos organizadores do evento, listou em entrevista exclusiva à The Shift os cinco principais motivos pelos quais grandes corporações estão aderindo à inovação aberta. Mas, antes, o especialista ressalta: “inovação é um hábito, um processo. Não é uma iniciativa isolada. É um movimento em que você semeia diversas ações internas e externas para colher os resultados e capturar valor real”.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar
  1. Resolução de problemas específicos: startups são especialistas em seus mercados e têm alta capacidade de solucionar problemas particulares de corporações mais abrangentes;
  2. Explorar novos mercados: empresas podem se valer da agilidade de startups para testar novos produtos sem a lentidão habitual de seus processos internos;
  3. Acesso a talentos: o ecossistema de startups está recheado de profissionais com habilidades relevantes para o mercado atual, especialmente na área de tecnologia;
  4. Inovar com agilidade: troca de experiência e conhecimento com startups acelera a transformação cultural;
  5. Ganhos futuros: em caso de aquisição ou investimento, corporações podem lucrar com as startups parceiras.

Mais capital intelectual e capital semente para a Amazônia

Inovação

Mais capital intelectual e capital semente para a Amazônia

Um hackaton organizado pelo Apoema Hub busca contribuir para o desenvolvimento sustentável da região baseado no conceito de Service-as-a-Capital. Já ouviu falar?

O ranking para melhorar a relação entre startups e corporações

Inovação

O ranking para melhorar a relação entre startups e corporações

Com o ranking de Melhores Corporações para o Ecossistema Brasileiro de Startups, a The Bakery quer identificar as melhores práticas do mercado.

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Economia

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Em cinco meses de 2022, o número de demissões já se iguala ao total de 2021. Sinais de falta de liquidez atingem principalmente as scale-ups

Apoio à inovação: a virada digital da Arezzo&Co

Inovação

Apoio à inovação: a virada digital da Arezzo&Co

Fechar parcerias com as startups é uma parte fundamental do processo de transformação digital do grupo

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Inovação

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Com o foco em 4 espécies, a Sustineri Piscis é a primeira foodtech brasileira a produzir pescado cultivado em laboratório

É realmente possível possuir algo no metaverso?

Inovação

É realmente possível possuir algo no metaverso?

Um professor de direito alerta que possuir um NFT de um item digital pode não ser suficiente para garantir a posse desse bem.

Por João Marinotti, The Conversation