s
O plástico tem sido reaproveitado por companhias como matéria para diferentes projetos, de tijolo a desodorante Crédito: Shutterstock
ECONOMIA

Quatro maneiras inovadoras para reutilizar resíduos plásticos

Os governos se comprometeram a lidar os resíduos plásticos, mas são as companhias que estão trazendo soluções inovadoras para o problema.

Por Kayleigh Bateman, Forum Econômico Mundial 21/03/2022

Acordados neste mês, os planos para criar um tratado global juridicamente vinculativo para reduzir a poluição plástica não poderiam ter sido estabelecidos rápido o suficiente. Cerca de 11 milhões de toneladas de resíduo plástico vão para os oceanos a cada ano, de acordo com dados citados pela ONU. Em caso de inação, essa quantidade pode ser triplicada até 2040.

Os líderes mundiais têm até 2024 para acordarem um tratado sobre poluição por plástico, que deve cobrir todo o ciclo de vida do material, da manufatura até o design e o descarte. Enquanto os governos estão trabalhando para desenhar um tratado, algumas companhias já atuam no problema ao converter o resíduo plástico em outros produtos úteis.

Confira quatro formas inovadoras criadas pelas companhias para reutilizar o plástico:

1. Materiais de construção sustentáveis

Uma startup sediada no Quênia transforma resíduos plásticos em materiais de construção sustentáveis, incluindo blocos de pavimentação, ladrilhos e tampas de bueiros. Os resíduos de plástico são recolhidos e tratados, combinados com areia e depois remodelados em tijolos. Até agora, a organização afirma ter conseguido reciclar mais de 100 toneladas de resíduos plásticos. A iniciativa também criou oportunidades de trabalho para mulheres e grupos de jovens locais que se tornaram coletores de lixo.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

2. Roupas esportivas leves

Engenheiros do MIT estão fabricando tecidos de polietileno, um plástico fino frequentemente usado para sacos ou embalagens de alimentos. Os pesquisadores descobriram uma nova maneira de tecer as fibras que permite que a água escape. O resultado é um tecido leve, ideal para uso em roupas esportivas, como tênis, coletes e leggings.

A esperança é que a descoberta incentive a reciclagem. “Uma vez que alguém joga uma sacola plástica no oceano, temos um problema. Mas essas sacolas podem ser facilmente recicladas e, se for possível transformar polietileno em um tênis ou um moletom, faria sentido econômico pegar essas sacolas e reciclá-las”, diz Svetlana Boriskina, cientista pesquisadora que trabalhou no projeto.

3. Convertendo plásticos em combustível

Um projeto piloto na Zâmbia está criando combustível com a queima de pneus e outros resíduos plásticos em um reator. A Central African Renewable Energy Corp já está produzindo 600 a 700 litros de diesel e gasolina por dia a partir de 1,5 toneladas de resíduos.

E a empresa busca investimento para crescer ainda mais. “No auge, esperamos poder contribuir com até 20% a 30% do combustível usado atualmente no país“, explicou o executivo-chefe Mulenga Mulenga à Reuters.

Quebrar o plástico ou a borracha requer uma quantidade significativa de energia. Além disso, dióxido de carbono, que é prejudicial ao planeta, é produzido como parte desse processo. No entanto, o projeto ajuda a Zâmbia a reduzir o desperdício ao mesmo tempo que fornece uma fonte de combustível.

4. Transformando plásticos oceânicos em embalagens de desodorantes

A startup PiperWai reaproveita plásticos descartados oceânicos em embalagens para sua linha de desodorantes naturais. A fundadora da PiperWai chegou a utilizar vidro e plástico para embalar sua linha de cuidados com a pele, mas começou a procurar alternativas mais sustentáveis.

Agora, a PiperWai usa embalagens produzidas a partir da reciclagem de resíduos plásticos encontrado nos oceanos e coletados por pescadores. Os materiais são então limpos e processados ​​em embalagens de alta qualidade.

Parceria Global de Ação Plástica

O Fórum Econômico Mundial criou a Global Plastic Action Partnership (GPAP) para enfrentar a crescente questão da poluição plástica. A parceria reúne governos, empresas e sociedade civil para transformar compromissos em ações.

O GPAP também formou parcerias com tomadores de decisão na Indonésia, Gana, Nigéria, Paquistão e Vietnã para acelerar a transição para uma economia circular de plásticos.

Kayleigh Bateman é autora sênior de Conteúdo Formativo do Fórum Econômico Mundial

Este artigo foi publicado originalmente no site do Fórum Econômico Mundial e republicado sob as regras de Creative Commons.

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Startups

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Scale-ups são startups que chegaram à vida adulta e crescem, no mínimo 20% ao ano, sua receita recorrente. Sua habilidade de escalar os negócios merece ser estudada pelas empresas tradicionais, já que apenas uma em cada 200 startups ch...

Comida do futuro a perigo

Economia

Comida do futuro a perigo

Os investimentos de risco na agricultura celular (proteínas animais cultivadas em laboratório) caíram 78% entre 2022 e 2023, colocando as startups a perigo.

2024, o ano dos unicorpses

Startups

2024, o ano dos unicorpses

Dez anos depois que o termo Unicórnio foi estabelecido o cenário atual está cada vez mais difícil para as startups conseguirem prosperar no mercado gerando vários “unicorpses”

Filantropia movida a tecnologia

Economia

Filantropia movida a tecnologia

A filantropia virou de cabeça para baixo depois que a ex-mulher de Jeff Bezos, MacKenzie Scott doou mais de US$ 16 bilhões em cinco anos para 2 mil organizações no mundo todo, incluindo no Brasil.

Para onde correm os unicórnios?

Startups

Para onde correm os unicórnios?

Aileen Lee, sócia da Cowboy Ventures, dez anos depois de seu artigo "Welcome to the unicorn club" escreve uma nova análise sobre o futuro dessas empresas

É preciso focar na qualidade do crescimento

Economia

É preciso focar na qualidade do crescimento

Estudo do WEF, em parceria com a FDC, avaliou 107 países, incluindo o Brasil, e descobriu que o ritmo da inovação está "devagar, quase parando". Além disso, o crescimento não é sustentável.