s
Crédito: (Pixabay/geralt)
STARTUPS

Quando o bootstrapping vale a pena

Crescer a empresa com capital próprio é arriscado, mas dá mais liberdade para os fundadores e mantém o Equity intacto.

Uma hora os fundadores de uma startup vão se deparar com a seguinte questão: receber investimento ou optar pelo bootstrapping? Cada opção tem seus prós e contras. Então, a decisão depende de como o empreendedor quer construir seu negócio. Em 2021, a escolha por fomentar uma empresa com capital próprio ganhou destaque após a venda do Mailchimp por US$ 12 bilhões para a Intuit, já que a companhia de Atlanta nunca recebeu aportes. Esse exit é a prova que é possível criar um negócio grande, valioso e tecnológico sem recorrer ao Venture Capital.

Na zoologia das startups, são chamadas de Bear as empresas que valorizam sua independência, seguem a rota do bootstrapping e evitam grana de VCs. Escolher esse caminho dificulta a vida do empreendedor, mas pode fazer os fundadores ficarem muito ricos caso tudo dê certo. De acordo com o “Mapeamento do Ecossistema Brasileiro de Startups 2021”, da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), 17,8% das startups brasileiras já realizaram bootstrapping, mas não receberam investimento do mercado. A maioria (64,8%) das empresas de tecnologia do país ainda não participaram de rodadas de captação.

O bootstrapping traz diversos riscos, mas, segundo fundadores ouvidos pelo Business Insider, esse formato possui alguns benefícios principais: a possibilidade de manter o foco no cliente e ter o controle e a propriedade majoritária da empresa sem ter que lidar com uma série de investidores focados no retorno de capital. Resumindo, usar o capital próprio na companhia dá mais liberdade.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Economia

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Relatório da Movile em parceria com o Distrito indica crescimento do ecossistema latino de inovação e mostra como a região já recuperou de crises anteriores.

A menopausa é uma oportunidade pouco explorada no mercado de femtechs

Tendências

A menopausa é uma oportunidade pouco explorada no mercado de femtechs

A menopausa é inevitável, mas os tabus com o tema afastam empreendedores e investidores das oportunidades desse mercado.

Q-commerce é sobre experiência: “a batalha se ganha na recorrência”

Startups

Q-commerce é sobre experiência: “a batalha se ganha na recorrênci...

Oferecer uma boa experiência para os consumidores é prioridade na Daki e a chave para se destacar em um segmento marcado por baixas margens de lucro

Trabalho: falta de engajamento pode levar a perdas de US$ 7,8 trilhões

Mercado

Trabalho: falta de engajamento pode levar a perdas de US$ 7,8 trilhõe...

Estresse, raiva, preocupações e infelicidade no trabalho são principais causas de queda de produtividade

Plant-based está crescendo, mas ainda precisa enfrentar desafios

Inovação

Plant-based está crescendo, mas ainda precisa enfrentar desafios

Startups e grandes empresas competem por um espaço no prato dos consumidores de alimentos plant-based, que demanda produtos cada vez mais saudáveis, similares aos de origem animal, clean-label e acessíveis

Da academia para o bem-estar: Gympass amplia atuação para empresas

Tendências

Da academia para o bem-estar: Gympass amplia atuação para empresas

O unicórnio brasileiro Gympass vem se transformando em plataforma de bem-estar, um tema cada vez mais importante para empresas e colaboradores