s
Crédito: (Pixabay/geralt)
STARTUPS

Quando o bootstrapping vale a pena

Crescer a empresa com capital próprio é arriscado, mas dá mais liberdade para os fundadores e mantém o Equity intacto.

Uma hora os fundadores de uma startup vão se deparar com a seguinte questão: receber investimento ou optar pelo bootstrapping? Cada opção tem seus prós e contras. Então, a decisão depende de como o empreendedor quer construir seu negócio. Em 2021, a escolha por fomentar uma empresa com capital próprio ganhou destaque após a venda do Mailchimp por US$ 12 bilhões para a Intuit, já que a companhia de Atlanta nunca recebeu aportes. Esse exit é a prova que é possível criar um negócio grande, valioso e tecnológico sem recorrer ao Venture Capital.

Na zoologia das startups, são chamadas de Bear as empresas que valorizam sua independência, seguem a rota do bootstrapping e evitam grana de VCs. Escolher esse caminho dificulta a vida do empreendedor, mas pode fazer os fundadores ficarem muito ricos caso tudo dê certo. De acordo com o “Mapeamento do Ecossistema Brasileiro de Startups 2021”, da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), 17,8% das startups brasileiras já realizaram bootstrapping, mas não receberam investimento do mercado. A maioria (64,8%) das empresas de tecnologia do país ainda não participaram de rodadas de captação.

O bootstrapping traz diversos riscos, mas, segundo fundadores ouvidos pelo Business Insider, esse formato possui alguns benefícios principais: a possibilidade de manter o foco no cliente e ter o controle e a propriedade majoritária da empresa sem ter que lidar com uma série de investidores focados no retorno de capital. Resumindo, usar o capital próprio na companhia dá mais liberdade.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Entrevista

"Compre agora, pague depois", em ritmo de América Latina

O BNPL (Buy Now, Pay Later), crédito online parcelado, faz sucesso nos EUA impulsionado pela geração Z. Na América Latina, a fintech colombiana Addi foca no lado inclusivo da tecnologia, e entra no Brasil usando o PIX como forma de cheg...

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Inovação

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Por Marina Hortélio
Destino de moradia: o novo posicionamento do QuintoAndar

Economia Digital

Destino de moradia: o novo posicionamento do QuintoAndar

Nova identidade marca uma virada nos negócios da proptech, que agora quer ir além do aluguel e cuidar de tudo para que as pessoas morem melhor: da administração do condomínio às reformas

Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 2022

Inovação

Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 202...

Plataformas de vídeos curtos, como Kwai e TikTok, ganharam força na pandemia e devem continuar crescendo em 2022

Por Marina Hortélio
Confiança digital é KPI estratégico

Tendências

Confiança digital é KPI estratégico

E um diferencial importante em um mundo onde a transformação digital acelerada e o aumento do risco sistêmico se cruzam - ou melhor, se chocam - cada vez mais

Investimento recorde em Climate Tech: mais capital para cuidar da Terra

Tendências

Investimento recorde em Climate Tech: mais capital para cuidar da Terr...

A guinada ESG dos investidores e urgência de criar soluções para as mudanças climáticas atraem investimentos para as Climate Techs.

Por Marina Hortélio