s
O segmento plant-based ganha fôlego com mudança de lifestyle e comportamento de compra do consumidor Crédito: David Geib/Pexels
INOVAÇÃO

Plant-based está crescendo, mas ainda precisa enfrentar desafios

Startups e grandes empresas competem por um espaço no prato dos consumidores de alimentos plant-based, que demanda produtos cada vez mais saudáveis, similares aos de origem animal, clean-label e acessíveis

Soluções para evitar o consumo de alimentos de origem animal existem há séculos — de acordo com o The Good Food Institute (GFI), a indústria de carne plant-based dos Estados Unidos remonta ao século 19. A grande novidade dos últimos anos é a criação de produtos capazes de replicar o gosto e a aparência de leite, ovos e proteínas animais tradicionais só com plantas e tecnologia — aliás, muita tecnologia. A comida que antes era restrita a vegetarianos e veganos está entrando no prato de mais e mais pessoas, com a mudança de lifestyle e de comportamento de compra do consumidor. Em ascensão, o mercado plant-based vem atraindo tanto startups quanto grandes empresas alimentícias.

Opções de produtos à base de plantas já estão disponíveis em todos os continentes e têm aumentado sua relevância na indústria alimentícia. No relatório "Plant-Based Foods Poised for Explosive Growth", a Bloomberg Intelligence (BI) calcula que o mercado de alimentos plant-based deverá corresponder a 7,7% do mercado global de proteínas até 2030, quando valerá mais de US$ 162 bilhões — em 2020, o valor de mercado era de US$ 29,4 bilhões. Dados do GFI também demonstram o crescimento acelerado do setor: as vendas globais de carne plant-based somaram US$ 5,6 bilhões em 2021, um crescimento de 17% na comparação com o ano anterior. No segmento de leites à base de planta, o resultado anual foi ainda melhor: US$ 17,8 bilhões e um crescimento de 14% na mesma comparação.

Os dados trazem boas notícias para as foodtechs brasileiras do setor, as grandes pioneiras da indústria no Brasil. Startups como Fazenda Futuro, N.OVO e The New lançaram seus primeiros produtos ainda em 2019. Desde então, mais alimentos do tipo foram colocados nas prateleiras dos mercados e no menu de restaurantes nacionais, onde já é possível encontrar alternativas à base de plantas para bebidas, sorvetes, coxinhas, hambúrgueres, ovos e cortes inteiros de carne.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

A transformação plant-based que nasceu da castanha

Entrevista

A transformação plant-based que nasceu da castanha

De um produto que nasceu para aproveitar a matéria-prima do negócio da família, a Positive Brands construiu uma marca que investe no plant-based para transformar a alimentação das pessoas, como conta o cofundador Rodrigo Carvalho

Por Soraia Yoshida
Ele alimenta a inovação da BRF

Entrevista

Ele alimenta a inovação da BRF

A missão de Sérgio Pinto, diretor de inovação da BRF, é estimular parcerias e mudanças que agilizem a geração de novos negócios e soluções competitivas, inclusive baseadas em proteínas alternativas

Por Cristina De Luca
A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Inovação

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Com o foco em 4 espécies, a Sustineri Piscis é a primeira foodtech brasileira a produzir pescado cultivado em laboratório

Os desafios da indústria de carne alternativa

Tendências

Os desafios da indústria de carne alternativa

O setor conta com alta tecnologia e investimentos, mas ainda batalha com redução de custos e qualidade. Mas um novo estudo aponta que a conta está cada vez mais perto de fechar e os produtores tradicionais de carne não podem ficar de fo...

Por Soraia Yoshida
5 tendências globais que vão impactar os negócios até 2026

Tendências

5 tendências globais que vão impactar os negócios até 2026

Da computação quântica às moedas digitais emitidas por bancos centrais (CDBCs), entenda como essas tendências vão moldar a perspectiva global

A empresa que quer mudar o destino dos oceanos, um atum por vez

Entrevista

A empresa que quer mudar o destino dos oceanos, um atum por vez

Michael Selden, CEO e cofundador da Finless Foods, conseguiu cultivar, em laboratório, a carne do Bluefin Tuna, um dos peixes mais cobiçados e caros do mundo. Agora, também com a versão plant-based, quer disruptar a indústria pesqueira...

Por Silvia Bassi