s
Créditos: (Tapan Kumar Choudhury/Unsplash)
INOVAÇÃO

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Com o foco em 4 espécies, a Sustineri Piscis é a primeira foodtech brasileira a produzir pescado cultivado em laboratório

Imagine um futuro em que não será mais preciso pescar para comer peixe. É essa a meta da Sustineri Piscis, a primeira foodtech brasileira a produzir pescado cultivado em laboratório, processo também conhecido como aquicultura celular. A pioneira brasuca é uma das startups mundo afora que querem garantir que o consumidor possa escolher entre uma carne cultivada e outra proveniente do abate animal - sejam bovinos, frutos do mar, suínos ou aves. Por enquanto, a comercialização desse tipo de produto só foi liberada em Cingapura, mas a tendência é que mais países façam o mesmo. A inovação das startups é um ponto crucial para a evolução da fabricação de carne cultivada e sua consequente chegada no prato dos consumidores.

O The Good Food Institute (GFI) classifica a carne cultivada como uma carne animal genuína que é produzida por meio do cultivo direto de células animais. “Quando você fala peixe de laboratório, parece que você está fazendo comida de astronauta e não é isso. Na verdade, é a carne genuína de pescado produzida em laboratório, um local que não passa de uma instalação tecnológica”, reitera o biólogo marinho Marcelo Szpilman, Fundador e CEO da Sustineri Piscis, que também é o idealizador e fundador do Aquário Marinho do Rio de Janeiro (AquaRio). O primeiro hambúrguer de carne cultivada foi revelado pelo cientista holandês Mark Post na televisão em 2013. Desde então, o número de companhias atuando no setor cresceu.

Até o momento, a Sustineri Piscis trabalha com quatro espécies de peixe: garoupa-verdadeira, cherne, robalo e linguado. Todo processo começa com a biópsia de um peixe vivo, com a qual são retiradas as células que serão reproduzidas em laboratório para criar a carne. Então, entra a fase de efetiva produção do pescado por meio de um biorreator, onde as células são desenvolvidas e é alcançada uma massa proteica. O produto pode ser usado como uma espécie de carne moída e aplicado em preparos de empanados e hambúrgueres ou ser transformado em um filé.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Ele alimenta a inovação da BRF

Entrevista

Ele alimenta a inovação da BRF

A missão de Sérgio Pinto, diretor de inovação da BRF, é estimular parcerias e mudanças que agilizem a geração de novos negócios e soluções competitivas, inclusive baseadas em proteínas alternativas

Por Cristina De Luca
O que falta para comermos mais carne produzida em laboratório?

Inovação

O que falta para comermos mais carne produzida em laboratório?

A demanda global por carne bovina e outras carnes de ruminantes pode aumentar em 88% entre 2010 e 2050, de acordo com uma análise que o World Resources Institute fez de dados da FAO

Por Kate Whiting, WEF
Os desafios da indústria de carne alternativa

Tendências

Os desafios da indústria de carne alternativa

O setor conta com alta tecnologia e investimentos, mas ainda batalha com redução de custos e qualidade. Mas um novo estudo aponta que a conta está cada vez mais perto de fechar e os produtores tradicionais de carne não podem ficar de fo...

Por Soraia Yoshida
A empresa que quer mudar o destino dos oceanos, um atum por vez

Entrevista

A empresa que quer mudar o destino dos oceanos, um atum por vez

Michael Selden, CEO e cofundador da Finless Foods, conseguiu cultivar, em laboratório, a carne do Bluefin Tuna, um dos peixes mais cobiçados e caros do mundo. Agora, também com a versão plant-based, quer disruptar a indústria pesqueira...

Por Silvia Bassi