s
Crédito: Pixabay
INOVAÇÃO

Os desafios da inovação acelerada

As organizações que priorizam a inovação se tornam mais ágeis, tomam mais decisões baseadas em dados e protegem melhor os dados de seus clientes

Há mais inovação implementada desde o ano passado do que se poderia imaginar em um ano como 2020 – ou por isso mesmo. Com mais da metade das organizações priorizando a inovação, elas se tornaram mais ágeis, tomaram mais decisões baseadas em dados, protegeram melhor os dados e se aproximaram mais de seus clientes – colocando-os no centro da inovação.

A demanda crescente por soluções que priorizam o digital, trazidas pela necessidade de isolamento social, teve um impacto também na personalização de experiências do cliente, aponta a segunda edição da pesquisa “Become Index”. Realizada pela Mastercard em parceria com a Harvard Business Review Analytic Services com mais de 1800 lideranças, a pesquisa indica que 53% dos executivos entrevistados afirmam que suas organizações priorizam a inovação e 42% das companhias responderam à necessidade aumentando os orçamentos para inovação.

O levantamento, que também ouviu mais de 10 mil consumidores em todo o mundo e em diferentes setores, identificou as características das empresas mais inovadoras:

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

A inovação aberta entre empresas e universidades

Inovação

A inovação aberta entre empresas e universidades

Para Bruno Rondani, CEO e fundador da 100 Open Startups, desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 é um exemplo claro de open innovation

Por João Ortega
Como futuristas podem impactar a indústria

Inovação

Como futuristas podem impactar a indústria

A maioria das grandes empresas possui um setor em que uma equipe de futuristas trabalha para antever cenários, tendências e produtos. Mas em muitos casos, só querem saber das tendências

Por Soraia Yoshida
Deep tech: a revolução está a caminho

Inovação

Deep tech: a revolução está a caminho

Deep techs, ao contrário das startups convencionais, mira no que não está lá: elas criam novos negócios e produtos a partir de descobertas científicas

Por Silvia Bassi