s
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

O negócio do BizOps? Alinhar estratégia e execução orientado por dados

A função não existe sem fluência de dados, para melhorar a tomada de decisão e otimizar processos

Qual é a responsabilidade do BizOps? O que deve entregar? A quem? Você seria capaz de responder a essas perguntas sem pestanejar? Provavelmente não. Muita gente se refere ao BizOps como uma equipe SWAT interna que aplica estratégia e análise de negócios para melhorar processos que geram receita. Há ainda quem prefira olhar como uma estrutura conceitual para alinhar negócios e tecnologia. A investidora Vessela H. Ignatova vai além e a define como a cola entre a realidade e o planejamento de uma empresa. Portanto, a turma que ajuda a conduzir os recursos certos para a direção certa , na quantidade certa e por meio das ferramentas certas. E não dá para fazer isso sem assumir três responsabilidades:

1 - Data & Market Intelligence: o balcão único de dados e inteligência de mercado para o negócio. O que inclui monitoramento de dados internos e pesquisa de mercado externa.

  • O objetivo é medir as principais métricas em toda a empresa e garantir  acesso consistente aos dados, em tempo real.
  • Para quem? Toda a empresa. Acesso sob demanda a qualquer pessoa na organização.

2 - Business Analytics & Performance: alinhar a estratégia e execução, e manter a empresa responsável. Isso inclui monitorar e conduzir análises de desempenho da empresa (marketing, vendas, parcerias, canais... todos GTM) com base em dados e direcionar a estratégia com OKRs.

  • O objetivo é comunicar e alinhar a empresa em torno de um objetivo estratégico comum.
  • Para quem? Toda a empresa!

3 - Expansão e Escala de Negócios: demonstrar riscos, trade-offs e priorizar projetos de expansão e escala. Isso inclui expansão em regiões geográficas, linhas de produtos, verticais, M&A; potenciais mudanças nos fundamentos do negócio (preço ou modelo de negócio, etc); e implementação de ferramentas em toda a empresa.

  • O objetivo é fornecer argumentos/recomendações baseadas em dados — em um pacote — para produtos, finanças e a gerência de operações para facilitar a tomada de decisões informadas. Esses departamentos, por sua vez, podem usar isso como insumos para seus próprios modelos e estruturas.
  • Para quem? Departamentos específicos, por projeto.

Portanto, na sua concepção, não existe BizOps sem fluência de dados. Se a empresa é o corpo humano e os fundadores são o cérebro e o coração do corpo, o BizOps é o sistema neural. As diferentes funções (engenharia, finanças, BizDev, etc.) são os músculos que o corpo precisa desenvolver e o BizOps é responsável por garantir que o corpo construa e mantenha os músculos necessários para engatinhar, andar e, até, correr. Em outras palavras, "o BizOps existe para desenvolver o domínio da linguagem dos dados na organização". "Isso é especialmente importante em uma empresa que se esforça para ser não hierárquica e incentiva as ideias a virem de todas as direções e de todos os níveis", argumenta Yael Cohen, VP da Lemonade.

O mercado parece concordar. Em uma análise de mais de 50 descrições para cargos de BizOps, feita pela Abacum, 100% mencionavam a definição de métricas (OKRs e KPIs), 58% iniciativas para “centralizar dados” ou “padronizar e distribuir métricas”, e 92% das funções juniores, especificamente SQL ou consulta de dados. Preferencialmente, experiências em modelagem avançada, análise de dados e ferramentas de visualização.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Moldando o futuro

Inteligência Artificial

Moldando o futuro

Quer um futuro melhor? Faça, porque ficar esperando que ele aconteça por geração espontânea, só porque alguém previu, não dará boa coisa.

Vale a pena ser gentil com sua IA

Inteligência Artificial

Vale a pena ser gentil com sua IA

Gentileza gera gentileza, e aumenta a qualidade das respostas dos chatbots de IA, revelam pesquisadores da Waseda University

É hora de usar KPIs inteligentes 

Inteligência Artificial

É hora de usar KPIs inteligentes 

O que os KPIs têm a ganhar com a IA? Muito, segundo mais dados do estudo do BCG e da MIT Sloan Review. A começar pelo fato de que passam a olhar para frente, em vez de medir o passado.

A corrida da IA no text-to-video

Inteligência Artificial

A corrida da IA no text-to-video

Nas últimas semanas, OpenAI e o Google revelaram novos modelos e recursos impressionantes, a um ritmo alucinante, cada um deles ampliando os limites do que a IA pode fazer.

Direto de Dubai, as megatrends 2024

Tendências

Direto de Dubai, as megatrends 2024

Relatório aponta tendências que merecem um olhar atento da parte da iniciativa privada e do setor público. Na lista há velhos conhecidos como DeFi, e coisas revolucionárias, como upcycling.

Jovens Z encaram a IA sem medo de ser felizes

Inteligência Artificial

Jovens Z encaram a IA sem medo de ser felizes

Os zoomers enxergam a Inteligência Artificial como uma "segunda natureza" e o domínio das ferramentas disponíveis como uma vantagem profissional.