s
Os cryptopunks são pequenos avatares gerados na blockchain da Ethereum. Foram criadas apenas 10 mil figurinhas e uma diferente da outra Crédito: Reprodução/Slam
INOVAÇÃO

NFT: entenda por que esse mercado pode render bilhões

Os NFTs estão alimentando transações milionárias de itens digitais colecionáveis, de arte a clipes de música, passando por tênis virtuais e cards de jogadores de basquete

Por Silvia Bassi 04/03/2021

O termo fungible (fungível, em português) passou a ser tema de conversas na área da economia e da tecnologia nas últimas semanas por conta da onda NFT, atrelada à criptopmoeda Ethereum e suportada pela tecnologia blockchain. Os NFTs estão alimentando transações milionárias de itens digitais colecionáveis, de arte a clipes de música, passando por tênis virtuais e cards de jogadores de basquete, cuja autenticidade, unicidade e cadeia de propriedade são criptografadas e garantidas por blockchain.

NFT é a sigla para Non-Fungible Tokens, ou tokens não-fungíveis. Se fungível define um bem que é consumível e pode ser substituído por outra coisa de mesma espécie, qualidade, quantidade e valor (um bitcoin, por exemplo), um item não-fungível é uma peça única, não consumível e não substituível. Mal comparando, é a diferença entre a Mona Lisa original instalada no museu do Louvre e a reprodução do mesmo quadro feita em papel barato. No caso do NFT, é a diferença entre ser dono do único vídeo da gravação original de uma banda de rock ou de um MP3 da mesma banda reproduzido milhões de vezes.

Por enquanto, o NFT está sendo explorado por artistas gráficos, músicos, empresas de games, esportistas e influenciadores digitais. O mercado quadruplicou de tamanho em 2020, com US$ 250 milhões em transações. Mas empreendedores bilionários como Mark Cuban garantem que a venda do ícone animado de um gato voador por US$ 600 mil é só a ponta do iceberg de um negócio que pode abrir fontes de receita para todas as empresas. “O que está acontecendo agora é uma prova de conceito“, tuitou recentemente.

Receba grátis nossa newsletter

Os NFTs apareceram em 2017, quando dois cryptodesigners criaram as figurinhas CryptoPunks, pequenos avatares gerados na blockchain da Ethereum. Foram criadas apenas 10 mil figurinhas e uma diferente da outra. A figurinha CriptoPunk5234, por exemplo, foi comercializada esta semana por mais de US$ 500 mil.

No mesmo ano, a empresa de games Dapper Labs lançou o game CryptoKitties com gatinhos virtuais que podiam ser comprados e vendidos em Ethereum. A mesma Dapper Labs agora está por trás do maior fenômeno dos NFTs, os cards digitais NBA Top Shots, que já somam US$ 297 milhões em transações, segundo a CryptoSlam, vendendo essencialmente pedaços colecionáveis de momentos únicos de jogadores da NBA em ação.

A mania de colecionar existe entre os seres humanos há séculos. Os NFTs parecem ser uma forma de digitalizar essa prática com esteróides. Por enquanto parece coisa de millennials que ganharam muito dinheiro explorando criptomoedas e não têm onde gastar. Pode ser que Mark Cuban tenha razão e os tais digital assets sejam o futuro. Para Noah Davis, especialista em arte contemporânea da casa de leilões Christie’s, são o movimento esperado por colecionadores sérios de arte digital.

Sinais de loucura?

  • Beeple é o primeiro artista digital a ter um NFT (The First 5000 Days) na famosa casa de leilões Christie’s. O leilão termina em 11 de março e o lance mais recente está em US$ 3,5 milhões.
  • 600 pares de tênis virtuais projetados pelo RTFKT Studios, em parceria com o criptoartista FEWOCiOUS, foram leiloados em um final de semana e arrecadaram US$ 3,1 milhões. Os compradores vão receber, “de brinde” um par de tênis físico.
  • O mercado de arte NFT MakersPlace é um bom lugar para ver as peças que estão sendo comercializadas por artistas globais.
  • A linha do tempo dos NFTs, de 2013 até agora.
  • Tudo o que você gostaria de saber sobre a Larva Labs e os CryptoPunks.
  • Kings of Leon será a primeira banda a lançar um álbum como NFT;
  • O Mintable, mercado usado por Mark Cuban para leiloar alguns dos seus bens digitais, explica como transformar a imagem de um carro antigo, que você fotografou na rua, em dinheiro nos leilões de NFT.
  • O relatório elaborado pela NonFungible.com, em parceria com a L’Atelier (BNP Paribas) mapeia o cenário de 2020 dos Non-Fungible Tokens, tem um glossário para entender esse mercado e sinaliza as tendências de 2021 (na versão paga).
  • O mercado CriptoSlam tem um ranking dos itens NFT sendo comercializados, com valores históricos e rastreio de todas as transações. Bastante educativo.

Áudio e voz estão entre as maiores tendências para as redes sociais

Tendências

Áudio e voz estão entre as maiores tendências para as redes sociais

Enquanto plataformas de vídeos ainda lideram o mercado, o ecossistema de inovação aposta em ferramentas de áudio e conversa por voz como alternativa de conteúdo

Por João Ortega
Clubhouse: rede social do futuro ou app da moda na pandemia?

Tendências

Clubhouse: rede social do futuro ou app da moda na pandemia?

Em pouco mais de um ano, plataforma de conversas por áudio chegou a 6 milhões de usuários e pode alcançar valuation de US$ 1 bilhão

Por Redação The Shift
A saga GameStop ou, era uma vez em Wall Street

Economia

A saga GameStop ou, era uma vez em Wall Street

Desde 11 de janeiro, quando milhões de usuários de um fórum do Reddit resolveram inflacionar o valor das ações da GameStop, palavras como short selling e short squeeze entraram na lista de mais procuradas do Google. Entenda a história...

Por Silvia Bassi