s
Foto: Clay Banks, via Unsplash

ECONOMIA

A saga GameStop ou, era uma vez em Wall Street

Desde 11 de janeiro, quando milhões de usuários de um fórum do Reddit resolveram inflacionar o valor das ações da GameStop, palavras como short selling e short squeeze entraram na lista de mais procuradas do Google. Entenda a história.

Por Silvia Bassi 02/02/2021

A saga GameStop + Reddit + Robinhood versus Wall Street e os grandes fundos de hedge, que fechou a semana passada parecendo roteiro de filme ou série, recomeçou nesta segunda-feira com a perspectiva de virar não apenas um, mas dois filmes! Um deles está sendo negociado, claro, pela Netflix. O outro, pela MGM, que já comprou os direitos de adaptar o livro, ainda não escrito, “The Antisocial Network“, do jornalista Ben Mezrich, autor de outro livro famoso (The Accidental Billionaires) sobre uma outra rede social muito famosa (Facebook), que virou o filme The Social Network (A Rede Social), que levou o Oscar em 2010.

A Netflix não comenta sobre o assunto, mas ao que parece, a ideia é que o filme seja uma reflexão sobre como a social media permite que milhões de indivíduos desafiem os guardiões do status quo, para o bem e para o mal. O roteirista do filme é o premiado Mark Boal (The Hurt Locker e Zero Dark Thirty) e a consultoria para desembaralhar esse drama épico será do polêmico Scott Galloway.

Mas como viemos parar aqui? Desde 11 de janeiro, milhões de pequenos investidores, a grande maioria empoderada pelo app de corretagem online Robinhood, e organizados em um fórum do Reddit (wallstreetbets), declararam guerra ao mercado financeiro, elevando exponencialmente o valor de ações medíocres de empresas do varejo (GameStop, AMC, Blackberry) para jogar na lona grandes fundos de hedge como Citron Capital e Melvin Capital, entre outros, que ganham muito dinheiro especulando com a queda do valor de ações de empresas em dificuldade – uma prática conhecida como short selling, ou venda a descoberto.

Receba grátis nossa newsletter

Contra os short sellers, milhões de redditors aplicam a tática do short squeeze, forçando a alta das ações a descoberto para gerar prejuízos milionários nos fundos, derrotados em seu próprio jogo. Como no short sell você aposta contra o preço das ações usando papéis que depois precisa recomprar, se esses papéis subirem, vertiginosamente, o prejuízo fica todo no seu colo na recompra. “É um aviso para acordar“, analisa a colunista Alexis Christoforous, do Yahoo Finance. A confusão bagunçou Wall Street e se estendeu na semana passada para os mercados de ações da Europa e Ásia.

As ações da GameStop, uma rede de lojas de videogame fundada em 1984 que acumula prejuízos há anos, saíram de US$ 19,75 no dia 11 de janeiro para US$ 325 no dia 29, alta acumulada de mais de 1.600%. Os fundos sentiram o golpe: a Melvin Capital teve perdas de 53% com a GameStop e o fundo Citron anunciou que vai parar com o short selling após 20 anos de prática. O bilionário Steve Cohen, dono do fundo Point72, fechou sua conta no Twitter, alegando ameaças à família. E o movimento colocou em alerta a SEC e Washington.

Mas quem se colocou sob os holofotes, de forma pouco confortável, foi a Robinhood, a empresa cujo slogan fala em democratizar o acesso ao mercado financeiro. O app permite que investidores de varejo negociem até frações de ações e não cobra comissão. Não está sozinha, há concorrentes que também ganharam visibilidade na semana passada, como a Webull. Na quinta-feira, 28/01, interrompeu parcialmente as negociações de 50 papéis no app, entre eles obviamente a GameStop, permitindo apenas a venda, por não ter dinheiro em caixa suficiente para cobrir eventuais prejuízos, uma regra para operar nesse segmento. Quase foi cancelada pelos próprios usuários, furiosos.

Entre quarta-feira (27/01) e segunda-feira (01/02), conseguiu levantar US$ 3,4 bilhões, dinheiro exigido para ter em caixa para bancar eventuais perdas com o frenesi de transações dos seus usuários. Agora corre o risco de ser processada. No domingo, o co-founder e CEO da Robinhood, Vlad Tenev, acabou sendo entrevistado por Elon Musk na Clubhouse, a rede social de streaming de áudio, para explicar ao paranóico Musk que não existem teorias da conspiração por trás da decisão.

Estratégias para orquestrar um ecossistema digital

Mercado

Estratégias para orquestrar um ecossistema digital

As plataformas digitais ajudam a tornar mais acessíveis os recursos e os participantes de um negócio digital, conforme a necessidade

Por Redação The Shift
Falta confiança para o compartilhamento de dados

Segurança

Falta confiança para o compartilhamento de dados

A gestão de dados é o maior obstáculo para executar projetos de IA, mas a tecnologia avança em áreas como blockchain, o que deve tornar o compartilhamento de dados uma aposta segura

Por Redação The Shift
Nos negócios, pivotar é sobreviver

Startups

Nos negócios, pivotar é sobreviver

Apple, Samsung, Sony, Nintendo e Facebook têm algo em comum: todas tiveram que pivotar para garantir que seu negócio daria certo

Por Redação The Shift