s
Consumidores esperam que as marcas que apoiam e de quem compram e falam bem nas redes sociais não sejam apenas fabricantes e varejistas, mas contribuintes ativos para a sociedade Crédito: Reprodução/YouTube
TENDÊNCIAS

Não é só vender: marcas precisam ter um papel ativo na sociedade

Quanto mais uma marca escolher seus campos de atuação e se comunicar com seus consumidores tão logo os debates surgem, mais será vista como autêntica

Por Redação The Shift 06/12/2021

Se há uma coisa que a economia comportamental nos mostrou nos últimos anos é que em um cenário marcado pelo divisionismo, nem sempre as reações estão no campo do bom senso e racional – e que as interações entre pessoas, marcas e iniciativas se tornaram muito mais pessoais, desde a chegada da pandemia. Passamos por um reset social.

Comprar uma série de coisas das quais não precisamos durante a Black Friday somente para aproveitar uma oferta, é uma coisa. Esperar muito mais das marcas com as quais interagimos, cobrando que tenham uma atuação ativa na sociedade, muito além de suas atribuições comerciais, é outra.

“Antes, estávamos confortavelmente entorpecidos, comprando mais barato, maior e melhor; agora, a pandemia gerou sofrimento e trauma, e a introspecção que ela gerou expôs nossa fragilidade. A pandemia nos mudou e agora buscamos mais no comércio. Esperamos realização, não apenas consumo. Esperamos que as marcas que patrocinamos não sejam apenas fabricantes e varejistas, mas contribuintes ativos e úteis para a nossa sociedade”, escreve Dipanjan Chatterjee, vice-presidente e analista principal da Forrester Research, onde lidera a prática de pesquisa de estratégia de marca, em um artigo para a MIT Sloan Management Review. “Nessa transição está uma das redefinições mais significativas para a marca moderna. Essa nova reconfiguração social é um território desconhecido para a maioria das empresas, que agora precisam lidar com as expectativas de novos clientes e funcionários”.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Trabalhadores esperam que CEOs sejam a

Tendências

Trabalhadores esperam que CEOs sejam a "face da mudança"

Mais de 70% das pessoas confiam nas empresas, mas a falta de confiança em governantes pode afetar ações de combate à pandemia e mudanças climáticas, aponta Barômetro de Confiança Edelman

Por Kate Whiting, Fórum Econômico Mundial
5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Inovação

5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Dos veículos elétricos à plataformização de serviços e ao welness virtual, os unicórnios mudaram negócios e todo mundo tem que correr para acompanhar

Controle, prazer e ética: tendências para o consumo em 2022

Tendências

Controle, prazer e ética: tendências para o consumo em 2022

O sentimento de precariedade e insegurança financeira faz com que as pessoas busquem recuperar um senso de controle sobre todos os aspectos da sua vida

Virtual influencers encontram o metaverso

Inteligência Artificial

Virtual influencers encontram o metaverso

Também nos ambientes 3D, os influenciadores virtuais podem humanizar toda a identidade de uma marca e se tornar a representação mais pessoal dos valores de uma empresa

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Inovação

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Por Marina Hortélio
Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 2022

Inovação

Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 202...

Plataformas de vídeos curtos, como Kwai e TikTok, ganharam força na pandemia e devem continuar crescendo em 2022

Por Marina Hortélio