s
Frederico Lacerda Cofundador e CEO da Pin People

ENTREVISTA

É hora de ter sensibilidade e cuidar das pessoas

Frederico Lacerda, fundador da Pin People, defende que, mais do que nunca, o People Analytics pode ajudar as empresas a apoiar os colaboradores remotos e cuidar da cultura organizacional

Por Cristina De Luca 27/03/2020

"De repente veio essa crise do coronavírus, ameaçando todas as organizações, e a gente decidiu ajudar os clientes". E foi assim, por empatia e foco nas pessoas, que em duas semanas a Pin People, empresa fundada pelo empreendedor Frederico Lacerda, criou a ferramenta gratuita Remote Work Experience, que dá aos funcionários remotos um canal para que possam dizer como estão se sentindo, e aos gestores uma chance de agir rápido com esses insights.

"Esse não é um momento de vender. É o momento de se tornar útil. De se colocar disponível, como parceiro", diz Frederico. "As pessoas podem desenvolver problemas sérios de depressão e estresse pós-traumático, como aconteceu anos atrás com o SARs na Ásia. A gente ainda não conhece os efeitos que esse isolamento social provoca".

Frederico Lacerda começou sua carreira em consultoria, trabalhando com RH. Depois, como investidor e fundador da aceleradora 21212, trabalhou atendendo 42 startups. Sempre teve vontade de ter a sua própria startup. Sonho que concretizou anos atrás, ao fundar a Pin People, com outros dois sócios. “Foi só me dedicando 220% na minha própria startup que entendi o que é estar na linha de frente de um negócio... É uma montanha-russa de emoções”.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

Para mudar a cultura, comece com uma provocação

Inovação

Para mudar a cultura, comece com uma provocação

Simon Sinek, autor de cinco best-sellers na área de inovação e liderança transformadora, garante que uma provocação bem feita será a fagulha suficiente para cutucar o resto da empresa

Por Redação The Shift
Lideranças em xeque na pandemia

Carreira

Lideranças em xeque na pandemia

A crise do Covid-19 ampliou o recrutamento de profissionais C-levels. A busca é por um perfil ágil, habilidades para desenvolver estratégias digitais e foco em transformação digital

Por Redação The Shift
Cristina Palmaka: disrupção é uma maratona

Entrevista

Cristina Palmaka: disrupção é uma maratona

Nem glass ceiling, nem glass cliff. Para Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil há seis anos e uma das poucas mulheres a ocupar esse tipo de posto no país, o negócio é encarar desafios e assumir o protagonismo.

Por Silvia Bassi