s
Crédito: Pixabay
ENTREVISTA

Contra a má conduta e a cultura tóxica no trabalho remoto

Em entrevista exclusiva, a empreendedora Rafaela Frankenthal explica como a plataforma SafeSpace ajuda empresas a reforçar uma cultura positiva de trabalho até em home office

Por João Ortega 25/01/2021

Os desafios da transição para um modelo de trabalho remoto são hoje pontos centrais nas discussões de negócios para 2021. Reforçar a cultura corporativa e manter o engajamento do colaborador neste formato estão entre eles, assim como elevar a confiança nas organizações em um cenário de lacuna de lideranças confiáveis na sociedade.

Para a empreendedora Rafaela Frankenthal, este ano, por enquanto, “é uma prorrogação de 2020”. Portanto, 2021 traz consigo a maior parte dos desafios que não foram resolvidos no ano passado (e tampouco serão solucionados de uma hora para outra). Entre eles, está a questão da má conduta no ambiente de trabalho. 

“Má conduta é qualquer tipo de comportamento que vai contra os valores e a cultura instituída pela empresa”, explica Rafaela em entrevista exclusiva à The Shift. Ela é cofundadora da SafeSpace, uma startup de SaaS que desenvolveu uma ferramenta para comunicação entre colaboradores, RH e setor de compliance a respeito de casos de má conduta. 

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como ser (mais) relevante em 2021?

Carreira

Como ser (mais) relevante em 2021?

Ser resiliente passou a ser uma característica bastante valorizada pelas empresas, mas também é importante ser adaptável e flexível

Por Soraia Yoshida
Relações de trabalho via Zoom são muito mais difíceis de construir

Carreira

Relações de trabalho via Zoom são muito mais difíceis de construir

Há duas maneiras importantes pelas quais os funcionários podem superar as desvantagens das chamadas em vídeo

Futuro do trabalho: como manter a cultura e o engajamento

Tendências

Futuro do trabalho: como manter a cultura e o engajamento

A evolução da experiência do trabalho em escritório para uma forma híbrida tem que passar por maneiras de engajar a equipe e preservar a cultura

Por Soraia Yoshida