s
Jogar o holofote sobre os integrantes da equipe é um sinal de valorização dos talentos internos Crédito: Pixabay
LIDERANÇA

Liderança inclusiva rende mais promoção, retenção e lucros

As organizações que trocaram CEOs menos inclusivos por outros que ouvem opiniões do time e dos colegas, compartilhando os créditos, tiveram melhores resultados, aponta uma pesquisa

Por Soraia Yoshida 11/04/2022

O crescimento do trabalho colaborativo dentro das organizações trouxe consigo algumas “verdades incômodas” que ficavam em segundo plano, diante das conquistas corporativas. O fato de que muitas lideranças se banhavam em glória, reconhecendo vez por outra a contribuição de seus times passou a não ter mais lugar nesse novo mundo do trabalho que vivemos. Afinal, trabalhadores que não se sentem valorizados, reconhecidos ou que não enxergam possibilidade de desenvolvimento, vão buscar tudo isso em outro lugar. Cabe aos líderes exercitar mais – e preferencialmente – a liderança inclusiva: aquela em que as decisões e o crédito pelas conquistas são também compartilhados.

Agora, vem o melhor: praticar esse tipo de liderança não apenas ajuda a construir um ambiente muito mais colaborativo, transparente, aberto à novação, como também traz dividendos no longo prazo, segundo uma pesquisa da Harvard Business School. De acordo com o estudo dos professores assistentes de Administração Yuan Zou e Ethan Rouen, os líderes inclusivos são “duas vezes mais propensos do que o líder médio a ser promovido a CEO, e nomear um CEO inclusivo aumenta a inclusão da equipe executiva”.

“Equipes compostas por gestores inclusivos também apresentam maior retenção”, escrevem os autores em seu estudo. Eles examinaram o comportamento, as interações, assim como suas características e resultados individuais, da equipe e da organização que incluíam 10.673 líderes e 2.316 empresas de 2010 a 2019. “As empresas em que os gerentes inclusivos são promovidos a CEO experimentam reações mais positivas do mercado de ações aos anúncios de promoção”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

Entre as startups, falta governança corporativa

Liderança

Entre as startups, falta governança corporativa

A recomendação é aplicar práticas de governança desde o começo e evoluir com o crescimento da companhia.

Um exame diferente para diversidade e inclusão

Gestão

Um exame diferente para diversidade e inclusão

O Teste de Bechdel-Wallace extrapolou as fronteiras da cultura pop e acabou por se tornar uma métrica de aferição da diversidade de gênero aplicável em qualquer instituição

Um mapa para a nova era

Inovação

Um mapa para a nova era

O artigo “On the cusp for a New Era”, publicado pelo McKinsey Global Institute esta semana, propõe uma reflexão se – em um cenário aparentemente distópico - encontraremos o próximo motor de produtividade para impulsionar o cresci...

O lado obscuro do trabalho remoto 

Carreira

O lado obscuro do trabalho remoto 

Falta de horário fixo, dispersão, procrastinação, isolamento social, menos engajamento, ansiedade e depressão são alguns dos efeitos que estão comprometendo a saúde mental dos profissionais

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

Gestão

Aparando as arestas do “Grande Desgaste”

O quiet quitting e a Great Resignation seguem fazendo um estrago. Para atrair talentos, as empresas estão transformando o atrito em negociação. Mas há que ter estratégias