s
SUSTENTABILIDADE

“Failure is not an option”

O alerta vem da Cúpula de Líderes do Pacto Global da ONU. Com 85% dos ODS com cronograma comprometido, recuperar o atraso até 2030 só será possível com muita cooperação e tecnologia

Por Rodolfo Fücher * 27/09/2023

Quando recebi o convite para participar da Cúpula de Líderes do Pacto Global da ONU 2023, não sabia ao certo se valeria apena ir a Nova Iorque para participar do encontro, principalmente pela loucura que deveria estar a cidade, já que o evento ocorre paralelamente a reunião de líderes da ONU. No final, eu não estava tão errado, já que havia bloqueios de segurança por todos os lados e carreatas de autoridades transformando o já caótico trânsito da Big Apple em algo surreal, onde uma tartaruga anda mais rápido.

Obviamente valeu muito a pena. O tema dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) – o plano de ação global da ONU para eliminar a pobreza extrema e a fome, oferecer educação de qualidade, proteger o planeta e promover sociedades pacíficas e inclusivas até 2030 – já era algo de meu interesse durante minha passagem pela Microsoft e, mais recentemente, quando tive a honra de atuar como presidente executivo da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), que reúne aproximadamente 85% do faturamento do setor brasileiro de software e serviços, o que não é pouca coisa. O evento provocou uma reflexão ampla diante das intensas discussões ao redor de temas como sustentabilidade e social.

Ao término das discussões, me senti dentro da Apollo 13, que, por conta de problemas técnicos, passou por apuros para retornar ao planeta Terra, e se salvou graças aos engenheiros em Houston. Daí o título “Failure is not an option” (Falhar não é opção), uma frase atribuída ao diretor de voo da NASA, Gene Kranz, no filme Apollo 13.

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar

A frase, na verdade, foi dita pelo controlador de voo, Jerry Bostick, aos roteiristas do filme, durante as entrevistas prévias. Quando perguntaram a ele “Não teve momentos em que todos, ou pelo menos algumas pessoas, entraram em pânico?”, Bostick respondeu “Não, quando coisas ruins aconteceram, nós alinhamos as opções com calma, e falhar não era uma delas”.

Um dos roteiristas transformou a resposta de Bostick em uma das expressões mais importantes do filme – a segunda, na minha opinião, é “Houston, we have a problem!” (Houston, temos um problema), dita quando um monte de alertas surgiu no computador de bordo da Apollo 13.

Eu diria “people, we have a problem” e certamente “failure is not an option”. Ficou claro que a solução depende de todos nós, e que estamos muito atrasados. Segundo os resultados apresentados, 15% dos ODS estão dentro do cronograma, porém 48% estão atrasados e 37% estão estagnados (ou pior, retrocedendo). E o mais assustador, principalmente para nós brasileiros, que temos uma situação um pouco mais confortável nesse aspecto, foi a fala do Matt Damon, ator e cofundador do water.org, de que “cerca de mil crianças, na faixa de 5 anos, morrem todos os dias ao redor do mundo devido à falta de acesso à água potável”. Isso é algo muito triste.

Este dramático quadro é representado na fala da CEO e Diretora Executiva do Pacto Global da ONU, Sanda Ojiambo: “O tempo está se esgotando para criar a mudança positiva que o mundo tanto precisa. Todos devemos unir forças para criar uma comunidade global mais próspera e resiliente. Devemos avançar mais rápido”. O que resultou na chamada do evento para este ano, “Move Forward Faster”, e na iniciativa homônima lançada durante o encontro, e cujo objetivo é acelerar a ação do setor privado no ritmo e na escala necessários para cumprir os 17 ODS e, desta forma, cumprir a Agenda 2030. Trata-se de uma consequência da urgente necessidade de um maior nível de alinhamento e cooperação entre os agentes públicos, sociais, acadêmicos e privados.

Não é muito difícil entender por que estamos onde estamos: bem atrasados em relação à agenda de 2030. E faltam apenas sete anos. O período pandêmico (COVID), aspectos geopolíticos (Rússia/Ucrânia), problemas nas cadeias de fornecimento e a inflação levaram empresários ao redor do mundo a priorizarem a sobrevivência de seus negócios, relegando as questões ambientais e sociais a um segundo plano. Nas “conversas de corredor”, fica claro que a grande massa de consumidores, principalmente aqueles na base da pirâmide, não está pagando mais por um produto ou serviço sustentável. Da mesma forma que a “crise” vem impactando os negócios, ela também vem impactando o bolso dos consumidores, que também estão no “modo de sobrevivência” a curto prazo, à procura por preço. Atualmente, a história do consumidor consciente só existe no topo da pirâmide.

A importância da inovação tecnológica, principalmente da inteligência artificial, foi um dos pontos que chamou a minha atenção. Eu sinceramente não esperava esbarrar na IA em pleno evento da ONU, ainda mais em uma posição de destaque nos resultados da nova pesquisa do Pacto Global, a “Business Leadership in Times of Crisis: Collected Insights from Chief Executive Officers into Successes, Challenges and Areas for Future Focus”, que aponta a necessidade de uma cooperação global em Inteligência Artificial.

Segundo o estudo, os empresários defendem criar uma estrutura global ou um conjunto de regras para orientar o uso da IA, a qual está em rápida evolução. O documento, inclusive, cita uma fala do secretário-geral da ONU sobre IA: “Congratulo-me com o crescente interesse entre os especialistas em IA sobre a melhor forma de governar o desenvolvimento e a utilização da IA. Precisamos de uma conversa global e multidisciplinar para examinar, avaliar e alinhar a aplicação da IA e de outras tecnologias emergentes”.

As questões de qualificação e requalificação da mão de obra, mais o envolvimento e apoio para as PMEs nas questões ambientais, não ficaram de fora. Outro ponto fundamental foi a importância de mais recursos e fomentos governamentais para desenvolvimento de novas tecnologias com foco em questões ambientais. Neste sentido, foi elaborado a proposta de um fundo anual de US$ 500 bilhões para países em situações precárias.

Por fim, fiquei feliz em constatar a qualidade e o comprometimento das novas gerações de líderes em relação à Agenda 2030. O painel “Moving Forward Faster – NOW!”, moderado pela brasileira Solange Ribeiro da Neoenergia, do qual participaram Yasmina Benslimane (Politics4her) e Ayisha Siddiqa (Polluters Out), também contou com a jovem Faatiha Aayat (Chil&D), que aos 12 anos já participa de discussões sobre clima e direitos da criança em eventos das Nações Unidas, Fundação Ford, TEDx, Universidade de Harvard, Universidade de Columbia, Georgia Tech etc. Esse intercâmbio entre as gerações mostra o poder do diálogo em prol do futuro do planeta. Contudo, precisamos sair da zona de conforto do campo das ideias, passando, urgentemente, às ações práticas, aos movimentos. E lembrando sempre que falhar não é, e nunca será, uma opção.


(*) Rodolfo Fücher é presidente do Conselho da Associação Brasileira das Empresas de Software — ABES

O trunfo das energias renováveis

Sustentabilidade

O trunfo das energias renováveis

Dois relatórios sobre energias renováveis no mundo e na América Latina ajudam a entender como os países devem montar seus novos planos de descarbonização depois da COP28.

Doze tecnologias climáticas indispensáveis

Sustentabilidade

Doze tecnologias climáticas indispensáveis

Em ritmo de COP28, resumimos um novo relatório da McKinsey, a ser lançado em 2024, sobre as tecnologias mandatórias para chegarmos às metas net-zero e à redução do aquecimento global.

Muito discurso, pouca ação

Sustentabilidade

Muito discurso, pouca ação

Pratique o que você fala. Quando se trata de sustentabilidade e meio ambiente, empresas e governos estão prometendo mais do que fazendo, e o resultado todos estamos sentindo na pele e no solo

Sustentabilidade

"Failure is not an option"

O alerta vem da Cúpula de Líderes do Pacto Global da ONU. Com 85% dos ODS com cronograma comprometido, recuperar o atraso até 2030 só será possível com muita cooperação e tecnologia

Por Rodolfo Fücher *
Framework brasileiro promete impulsionar mercado global de crédito de carbono

Sustentabilidade

Framework brasileiro promete impulsionar mercado global de crédito de...

Metodologia elaborada pela Reservas Votorantim e ECCON, com base científica robusta, foi lançada oficialmente esta semana, durante a Climate Week Nova York

Por Danuza Mattiazzi
Greenwashing e Greenhushing comprometem o valor da marca

Sustentabilidade

Greenwashing e Greenhushing comprometem o valor da marca

Dão prejuízo financeiro. Na ponta do lápis, a Tesla, por exemplo, pode perder US$ 4,1 bilhões se não corrigir a diferença entre percepção e realidade