s
Investir em fábricas inteligentes permite que os trabalhadores funcionem de forma mais eficaz Crédito: iStock
INTERNET DAS COISAS

Fábricas inteligentes: 3 tendências que todos os fabricantes deveriam ficar de olho

Investir em fábricas inteligentes permite que os trabalhadores funcionem de forma mais eficaz

Por Soraia Yoshida 17/01/2022

A adoção de Open Innovation e sistemas abertos estão abrindo o caminho para a expansão das fábricas inteligentes (smart factories), que evoluíram não apenas em tecnologia, mas na ideia que se tinha inicialmente sobre elas. A fábrica inteligente, um sistema flexível que otimiza o desempenho de trabalhadores e máquinas em uma rede mais ampla, adaptando-se a novas condições rapidamente e auxiliando na execução de processos de produção inteiros, é o conceito que muitos fabricantes estão adotando para impulsionar suas metas de fabricação.

À medida que as fábricas inteligentes começaram a ser mais implantadas, as organizações trocaram os sistemas personalizados por sistemas mais integrados que atravessavam várias funções e eram mais end-to-end. A chegada da nuvem e da Internet das Coisas (IoT) facilitou a adoção ao fornecer dados às fábricas. Hoje, as fábricas inteligentes abrangem robôs autônomos móveis (autonomous mobile robots ou AMRs), gêmeos digitais para executar simulações e sistemas de monitoramento apoiados em sensores e Inteligência Artificial (IA), entre outras coisas.

Todo esse investimento tem um valor alto. E embora haja um retorno grande a caminho, com redução de custos com mão de obra devido à automação, também vai implicar no treinamento (upskilling/reskilling) ou contratação de trabalhadores com habilidades para projetar sistemas e gerenciar máquinas, como aponta Jason Bergstrom, diretor e líder de fábrica inteligente da consultoria Deloitte. Ele prevê que 2022 pode se tornar o ano das fábricas inteligentes, com os robôs autônomos móveis irão além do transporte de materiais, com demandas em plataformas de trabalho flexíveis, dispositivos de coleta de dados e como “agentes” para fornecer dados em tempo real relacionados a materiais, ambiente e fluxo de uma fábrica. Esse aumento no uso de AMRs terá impacto nas tecnologias de bateria, já que vai demandar baterias de longa duração e sistemas de troca automática para fazer a troca rapidamente, em vez de esperar pelo recarregamento.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

A análise de dados em tempo real é vital hoje

Inteligência Artificial

A análise de dados em tempo real é vital hoje

Seus benefícios comerciais, independentemente do setor, continuarão a impulsionar a adoção

Mais capital intelectual e capital semente para a Amazônia

Inovação

Mais capital intelectual e capital semente para a Amazônia

Um hackaton organizado pelo Apoema Hub busca contribuir para o desenvolvimento sustentável da região baseado no conceito de Service-as-a-Capital. Já ouviu falar?

Estar na nuvem é cada vez mais estratégico

Tendências

Estar na nuvem é cada vez mais estratégico

Governos e empresas precisam considerar o valor da nuvem na reformulação da economia para o digital

IoT: tecnologias para colocar no seu radar

Tendências

IoT: tecnologias para colocar no seu radar

Relatório aponta quais tecnologias relacionadas a Internet das Coisas estão próximas da maturidade e avançaram mais nos últimos anos

Por Redação The Shift
Novo paradigma do gerenciamento da informação: foco no cliente!

Tendências

Novo paradigma do gerenciamento da informação: foco no cliente!

Cada vez mais é preciso deixar de falar muito bem a linguagem do medo, da incerteza e da dúvida e passar a fazer parte de uma conversa de negócios, mais estratégica e produtiva, revela pesquisa

Bancos devem oferecer mais experiências personalizadas e ominichannel

Tendências

Bancos devem oferecer mais experiências personalizadas e ominichannel

Clientes esperam que suas jornadas phygital sejam relevantes, envolventes, sem atrito entre os canais e de baixo custo, revela o estudo World Retail Banking, da Capgemini. Só fintechs conseguem