s

ENTREVISTA

Do dinheiro de plástico às startups, Roberto Pina é um promotor da inovação

Em entrevista exclusiva, o empreendedor, que participou da revolução do setor de pagamentos do Brasil, explica como hoje ajuda a transformar ideias em negócios

Por João Ortega 13/11/2020

Roberto Pina é um dos responsáveis pela transformação do setor de pagamentos no Brasil. Como executivo, participou da criação da Visanet, adquirente da Visa que mais tarde passou a se chamar Cielo. Foi CEO da Stelo, uma empresa de soluções digitais de pagamento, e ajudou a desenvolver o negócio da Alelo, pioneira no país ao substituir vouchers em papel por cartões com chip.

Hoje, mais de duas décadas depois de entrar neste segmento, Pina vê com bons olhos o destino para o qual o Brasil caminha em relação a serviços financeiros. “O Open Finance tira o ativo que estava na mão dos bancos e devolve para o usuário. A partir daí, qualquer um pode identificar o produto que seja melhor e mais barato. É um caminho de abertura do mercado”, analisa o especialista.

“Apesar de ter ganho muito bem como executivo, se tivesse 1% das empresas que ajudei a construir, seria bilionário”, pondera Pina. Esta foi uma das motivações para abandonar o mundo corporativo e empreender. Hoje, ele lidera a Sevensete, uma Venture Builder que ajuda empreendedores a tirar ideias do papel, transformá-las em negócio e colocá-las no mercado. Causar impacto positivo na sociedade e criar um portfólio de participações em startups são outros incentivos que o levaram, em 2018, a fundar a própria empresa.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a Cyber Week e assine

O perde e ganha dos bancos e das fintechs com o PIX

The Shift 360°

O perde e ganha dos bancos e das fintechs com o PIX

Ao mesmo tempo em que podem ver as receitas com DOCs TEDs e outros serviços minguarem, os bancos têm a chance de criar novos serviços que compensem o buraco no caixa

Por Cristina De Luca
Na era do Open Finance

Entrevista

Na era do Open Finance

Renato Terzi, CEO da GR1D, acredita que o Brasil é um terreno extremamente receptivo e propício à cultura open, tanto no mercado de seguros, quanto no de bancos. E que abraçá-la é um movimento sem volta

Por Cristina De Luca
Toda empresa será uma fintech?

Fintechs

Toda empresa será uma fintech?

Produtos financeiros desenvolvidos por companhias para um nicho específico são melhores do que aqueles criados por bancos para atender à demanda mais ampla do mercado geral

Por Redação The Shift