s
TENDÊNCIAS

Consumidores estão mais resilientes às mudanças e à incerteza

Em crise, mas no controle, usando os valores e comportamentos aprendidos durante a pandemia, segundo a mais recente edição do EY Future Consumer Index

A experiência da pandemia tornou os consumidores muito mais resilientes à mudança e à incerteza. Empenhados cada vez mais em moldar ativamente suas vidas, não apenas reagir aos eventos. Respondendo a um mundo em crise usando os valores e comportamentos aprendidos durante a pandemia, conclui a mais recente edição do EY Future Consumer Index - 10ª da série, que entrevistou 18 mil pessoas em 24 países, incluindo o Brasil, entre e maior e junho deste ano. Em vez de apenas reagir passivamente a ondas intermináveis de mudança e incerteza, eles estão respondendo ativamente – ou pelo menos tentando. O que inclui ter maior controle sobre suas vidas, inclusive a vida digital, depois que o aumento do trabalho em casa deu maior autonomia sobre como estruturam seu tempo.

Além de tornar os consumidores mais adaptáveis e ter aberto um mundo de alternativas, em função do estilo de vida “digital first”, a pandemia também mudou valores. Em particular, as pessoas estão agora muito mais comprometidas com estilos de vida sustentáveis, valorizando mais questões relacionados à acessibilidade, ao planeta, à saúde e à necessidade de viver o momento e aproveitar ao máximo cada experiência (gráficos). E mais preocupadas com a relação custo-benefício de produtos e serviços, na hora de cortar custos.

Há um desejo subjacente de viver e gastar mais “autenticamente”. Mais pessoas estão empenhadas em reparar itens em vez de substituí-los. Menos pessoas estão interessadas em tendências de moda sazonais – 79% dos consumidores “Acessibilidade em primeiro lugar” as ignoram, mas também 55% dos consumidores mais hedonistas “Experiência em primeiro lugar”. As pessoas dizem que se sentem mais confortáveis ​​“em sua própria pele”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Inteligência Artificial

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Ao economizarem tempo no consumo de insights, em vez de dados brutos, as instituições financeiras construirão melhores serviços, explica Albert Morales, diretor-geral da Belvo

A teia gigante da Economia das APIs

Tendências

A teia gigante da Economia das APIs

São a ponte entre diferentes ecossistemas e são as facilitadoras da inovação. O mercado financeiro nacional é o maior exemplo de que não podemos mais sobreviver sem elas

NeuroAI, a próxima fronteira

Inteligência Artificial

NeuroAI, a próxima fronteira

Ela está ajudando os neurocientistas a tornar os modelos cerebrais in silico mais precisos. Em breve, será possível baixar e usar modelos sensoriais, sob demanda, na saúde, na publicidade, etc.

Créditos de carbono para compensar emissões e preservar as florestas

Tendências

Créditos de carbono para compensar emissões e preservar as florestas

Uma das startups que desenvolve o mercado voluntário no Brasil, a Carbonext atrela a compensação das emissões de CO2 à preservação da Amazônia.

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH

Assim nasce uma mediatech

Tendências

Assim nasce uma mediatech

Globo investe em soluções proprietárias de métricas, modelos estatísticos e performance para otimizar a publicidade multiplataforma