s
Crédito: Dreamstime

INOVAÇÃO

Como ser uma empresa future-ready

Depois de quatro anos de pesquisas, este modelo traz insights para empresas que passam pela transformação digital

Por Silvia Bassi 29/04/2021

Existe mesmo essa coisa de "empresas prontas para o futuro"? Existe e tem até fórmula para ser uma delas, segundo a cientista e pesquisadora Stephanie Woerner e o presidente do MIT Sloan Center for Information Systems Research (CISR), o cientista e pesquisador Peter Weill. Quando aplicada, a fórmula lembra aquela frase típica brasileira de "botar fogo no parquinho", mas pode valer a pena: empresas future-ready têm em média 19,5% mais lucro líquido que as concorrentes.

Desde 2017, Stephanie e Peter se dedicam a entender o que são empresas "future-ready", analisando a jornada de transformação digital de "grandes companhias antigas", a maioria decidindo seus passos "sem manual". Depois de quatro anos estudando mais de 1,5 mil empresas, a dupla publicou um review dos aprendizados, atualizando os insights sobre o modelo criado por eles em 2017.

O modelo identifica quatro caminhos possíveis para a jornada de transformação, que atravessam, em algum momento, quatro tipos de mudanças, significativas e perturbadoras, comuns nessas jornadas, que eles chamam de "explosões".

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

A inovação aberta entre empresas e universidades

Inovação

A inovação aberta entre empresas e universidades

Para Bruno Rondani, CEO e fundador da 100 Open Startups, desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 é um exemplo claro de open innovation

Por João Ortega
Como futuristas podem impactar a indústria

Inovação

Como futuristas podem impactar a indústria

A maioria das grandes empresas possui um setor em que uma equipe de futuristas trabalha para antever cenários, tendências e produtos. Mas em muitos casos, só querem saber das tendências

Por Soraia Yoshida
Deep tech: a revolução está a caminho

Inovação

Deep tech: a revolução está a caminho

Deep techs, ao contrário das startups convencionais, mira no que não está lá: elas criam novos negócios e produtos a partir de descobertas científicas

Por Silvia Bassi