s
Crédito: Pexels

INOVAÇÃO

Como os ciclos de inovação impactam o crescimento

Desde a revolução Industrial, o avanço das ferrovias até a Internet e as tecnologias limpas, cada onda causa disrupção no mercado e produz oportunidades e crescimento

Por Redação The Shift 05/07/2021

A teoria da “destruição criativa” de Joseph Schumpeter, sugere que os ciclos de negócios operam sob longas ondas de inovação. A destruição criativa desempenha um papel fundamental no empreendedorismo e no desenvolvimento econômico. À medida que os mercados passam por disrupções, os principais grupos de indústrias têm efeitos na economia que são desproporcionais.

Dois exemplos rápidos: o advento e expansão das ferrovias remodelaram completamente a maneira como as pessoas viviam, com o agrupamento em cidades e ao longo dos trilhos. O comércio sofreu um impacto enorme, pois os produtos podiam chegar mais longe e mais rápido. Agora pense na internet e em tudo o que mudou desde então: da mídia ao varejo, a forma como consumimos notícias, produto, nossa expectativa e modo de olhar o mundo, o fato de que cada smartphone hoje é uma central conectada.

A teoria da destruição criativa se apoia em três fundamentos:

Receba grátis nossa newsletter
  • “A inovação e a difusão do conhecimento estão no cerne do processo de crescimento”
  • “Os inovadores são motivados pela possibilidade de monopólio lucrativo”
  • “A inovação ameaça os operadores históricos, que lutarão para impedi-la”

As informações estão mais centralizadas do que nunca, com as Big Techs dominando o tráfego de pesquisa global, redes sociais e publicidade. Organizações como Alphabet (Google), Amazon, Apple e Facebook têm o poder de controlar preços e expulsar concorrentes – basicamente, comprando outras companhias.

No infográfico da Visual Capitalist, é possível ver o impacto dos ciclos de inovação nas economias desde 1785 e como esses saltos foram “encurtando” com o passar do tempo.

gráfico mostra as ondas de inovação desde a revolução Industrial até hoje
Desde a primeira onda da Revolução Industrial, que nos trouxe têxteis e energia hídrica, até a chegada da Internet na década de 1990, podemos ver como a energia da água foi fundamental para a fabricação de papel, têxteis e produtos de ferro na primeira onda. Na segunda onda, aproximadamente entre 1845 e 1900, vieram as ferrovias, vapor e aço. A indústria ferroviária – que impactou outros setores, como petróleo, aço e cobre – avançou para a criação de monopólios.

O surgimento da luz elétrica e da comunicação por telefone estão no centro da terceira onda, que dominou a primeira metade do século XX. Entram aí a linha de montagem de Henry Ford, que transformou a indústria automobilística, que abriram espaço para o surgimento das metrópoles. E, na quarta onda, a aviação mudou tudo encurtando ainda mais as distâncias entre cidades, estados, países.

A Internet mudou o jogo da informação: dos discursos políticos aos noticiários, a forma de consumir conteúdo se transformou para sempre – marcando a quinta onda. Inaugurou uma nova fronteira para a globalização, basicamente em que não há fronteiras, apenas uma questão de acesso e tecnologia.

E a sexta onda? Ela é marcada pela Inteligência Artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT), robótica e drones, machine learning e o que mais está borbulhando neste momento. A automação de sistemas, análise preditiva e processamento de dados já têm um impacto enorme na nossa vida, nas organizações e neste mundo cada vez mais digitalizado. O tempo para concluir as tarefas pode mudar de horas para até segundos (alguém aí falou em computação quântica?).

A expectativa é que a Clean Technology nos ajudará a solucionar os problemas criados pelas ondas anteriores e que resultaram em questões complexas, inclusive de sobrevivência. Custos mais baixos em energia solar e eólica também são vantagens de eficiência.

 

Entrevista

"Na economia digital é preciso enxergar a qualidade como gestão de r...

Portanto, como um investimento, não como custo, afirma Bruno Abreu, cofundador e CEO da Sofist, que há onze anos vem ajudando empresas brasileiras a valorizarem mais a cultura da qualidade

Por Cristina De Luca
Os passos internacionais da VTEX após o IPO

Economia

Os passos internacionais da VTEX após o IPO

Em 21 anos, a companhia realizou 16 fusões e aquisições e não descarta fazer mais transações do tipo

Por Marina Hortélio
Hora de reimaginar tudo o que um game é como negócio

Tendências

Hora de reimaginar tudo o que um game é como negócio

Antes os games valiam cada vez menos com o passar do tempo, agora bons games podem se tornar cada vez mais valiosos, ano após ano

Por Cristina De Luca
Como serão os games no futuro?

Inovação

Como serão os games no futuro?

Cloud gaming, mais diversidade e mobile são algumas das tendências que moldam os próximos passos do mercado de jogos online

Por Marina Hortélio
Voltz quer reinventar o ecossistema de duas rodas do Brasil

Entrevista

Voltz quer reinventar o ecossistema de duas rodas do Brasil

O fundador da autotech, Renato Villar, percebeu que o futuro é elétrico, por isso apostou nas motos elétricas com muita tecnologia embutida e com apoio forte de sua comunidade

Por Marina Hortélio
IA corre para conquistar o ouro olímpico em Tóquio

Inteligência Artificial

IA corre para conquistar o ouro olímpico em Tóquio

A tecnologia desempenhará um papel fundamental para os atletas e também na segurança e eficiência do evento

Por Cristina De Luca