s
Crédito: Pexels
INOVAÇÃO

Como os ciclos de inovação impactam o crescimento

Desde a revolução Industrial, o avanço das ferrovias até a Internet e as tecnologias limpas, cada onda causa disrupção no mercado e produz oportunidades e crescimento

A teoria da “destruição criativa” de Joseph Schumpeter, sugere que os ciclos de negócios operam sob longas ondas de inovação. A destruição criativa desempenha um papel fundamental no empreendedorismo e no desenvolvimento econômico. À medida que os mercados passam por disrupções, os principais grupos de indústrias têm efeitos na economia que são desproporcionais.

Dois exemplos rápidos: o advento e expansão das ferrovias remodelaram completamente a maneira como as pessoas viviam, com o agrupamento em cidades e ao longo dos trilhos. O comércio sofreu um impacto enorme, pois os produtos podiam chegar mais longe e mais rápido. Agora pense na internet e em tudo o que mudou desde então: da mídia ao varejo, a forma como consumimos notícias, produto, nossa expectativa e modo de olhar o mundo, o fato de que cada smartphone hoje é uma central conectada.

A teoria da destruição criativa se apoia em três fundamentos:

CADASTRE-SE GRÁTIS PARA ACESSAR 5 CONTEÚDOS MENSAIS

Já recebe a newsletter? Ative seu acesso

Ao cadastrar-se você declara que está de acordo
com nossos Termos de Uso e Privacidade.

Cadastrar
  • “A inovação e a difusão do conhecimento estão no cerne do processo de crescimento”
  • “Os inovadores são motivados pela possibilidade de monopólio lucrativo”
  • “A inovação ameaça os operadores históricos, que lutarão para impedi-la”

As informações estão mais centralizadas do que nunca, com as Big Techs dominando o tráfego de pesquisa global, redes sociais e publicidade. Organizações como Alphabet (Google), Amazon, Apple e Facebook têm o poder de controlar preços e expulsar concorrentes – basicamente, comprando outras companhias.

No infográfico da Visual Capitalist, é possível ver o impacto dos ciclos de inovação nas economias desde 1785 e como esses saltos foram “encurtando” com o passar do tempo.

gráfico mostra as ondas de inovação desde a revolução Industrial até hoje
Desde a primeira onda da Revolução Industrial, que nos trouxe têxteis e energia hídrica, até a chegada da Internet na década de 1990, podemos ver como a energia da água foi fundamental para a fabricação de papel, têxteis e produtos de ferro na primeira onda. Na segunda onda, aproximadamente entre 1845 e 1900, vieram as ferrovias, vapor e aço. A indústria ferroviária – que impactou outros setores, como petróleo, aço e cobre – avançou para a criação de monopólios.

O surgimento da luz elétrica e da comunicação por telefone estão no centro da terceira onda, que dominou a primeira metade do século XX. Entram aí a linha de montagem de Henry Ford, que transformou a indústria automobilística, que abriram espaço para o surgimento das metrópoles. E, na quarta onda, a aviação mudou tudo encurtando ainda mais as distâncias entre cidades, estados, países.

A Internet mudou o jogo da informação: dos discursos políticos aos noticiários, a forma de consumir conteúdo se transformou para sempre – marcando a quinta onda. Inaugurou uma nova fronteira para a globalização, basicamente em que não há fronteiras, apenas uma questão de acesso e tecnologia.

E a sexta onda? Ela é marcada pela Inteligência Artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT), robótica e drones, machine learning e o que mais está borbulhando neste momento. A automação de sistemas, análise preditiva e processamento de dados já têm um impacto enorme na nossa vida, nas organizações e neste mundo cada vez mais digitalizado. O tempo para concluir as tarefas pode mudar de horas para até segundos (alguém aí falou em computação quântica?).

A expectativa é que a Clean Technology nos ajudará a solucionar os problemas criados pelas ondas anteriores e que resultaram em questões complexas, inclusive de sobrevivência. Custos mais baixos em energia solar e eólica também são vantagens de eficiência.

 

PMEs e startups: parceria incrementa digitalização

Inovação

PMEs e startups: parceria incrementa digitalização

Com mais maturidade digital, as pequenas e médias empresas brasileiras podem beneficiar ainda mais a economia. As startups trazem as soluções para apoiar a digitalização

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

É real: dados e IA turbinam vendas

Inteligência Artificial

É real: dados e IA turbinam vendas

Não faltam exemplos, em diferentes pontos do processo, como mostram os cases das startups Nubimetrics, RelevanC e Retargetly

Liberdade para quem?

Economia

Liberdade para quem?

Elon Musk pagou US$ 44 bilhões pelo Twitter, mas seus problemas são muito maiores de que só encontrar um jeito de fazer o upside financeiro da rede social

2023, o ano do Defi 3.0?

Tendências

2023, o ano do Defi 3.0?

Projetos FaaS (Farming as a Service) pedem passagem no universo das finanças descentralizadas

Só faltou mesmo combinar com os chineses

Economia

Só faltou mesmo combinar com os chineses

O presidente dos EUA, Joe Biden, restringiu ainda mais as regras de exportação de semicondutores dos EUA para a China. A medida pode respingar em Taiwan