s
Cynthia Hobbs é CFO do GetNinjas e faz parte do conselho da Natura e do Lopes Supermercados Crédito: Risnic Fotografia
ENTREVISTA

“As mulheres não são convidadas para fazer parte da panelinha dos boards”

Cynthia Hobbs, CFO do GetNinjas, faz parte de um grupo reduzido de mulheres que procuram ampliar a presença feminina no alto escalão das companhias e nos conselhos das empresas

Por Soraia Yoshida 13/05/2022

As mulheres que ocupam posições em conselhos de companhias globais permanecem, em média, 4,4 anos na cadeira, enquanto os homens ficam em média 5,8 anos. No mundo todo, apenas 19,7% dos assentos são ocupados por mulheres. Achou pouco? Já foi pior: desde 2018, o crescimento foi de 2,8 pontos porcentuais. Mas paridade, se chegar, vai ser apenas por volta de 2045, aponta o relatório “Women in the boardroom”, realizado pela consultoria organizacional Deloitte, feita em 51 países com a participação de 10.493 empresas.

O mesmo relatório aponta que o Brasil está bem atrás em vários indicadores: Por aqui, a participação feminina nos boards é de 10,4%. Ainda assim, representa um avanço: o país registrou um aumento de 1,8% no número de cadeiras ocupadas por mulheres nos conselhos administrativos.

“O que as mulheres querem é muito simples: igualdade de oportunidades”, afirma Cynthia Hobbs, Chief Financial Office (CFO) do GetNinjas, plataforma online que conecta clientes a freelancers e prestadores de serviços pelo país. Como conselheira fiscal certificada, Cynthia faz parte desse reduzido cenário de mulheres que levam seu expertise, experiência e visão para diversificar as conversas e abordagens dos boards. Segundo ela, não faltam mulheres capazes de assumir esse desafio; o que falta é abrirem a porta para esse universo fechado dos conselhos, em que muitas vezes vale mais quem você conhece. Ou, pelo menos, essa tem sido sua experiência. “A diversidade da experiência, do olhar, eu acho que as empresas precisam estar abertas a isso. Porque não é só pagar o mesmo salário. Eu vejo que as empresas estão se preparando para dar mais oportunidade – porque se deixar para que esse processo aconteça naturalmente, não vai acontecer”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O futuro através da cidadania climática

Entrevista

O futuro através da cidadania climática

Paulo Moutinho, cofundador do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - organização não governamental com 30 anos de atividade na Amazônia e no Cerrado - defende que o protagonismo do Brasil na solução climática mundial ocorra a...

Pete Flint:

Entrevista

Pete Flint: "Leve sua empresa para as corredeiras"

Para o investidor de risco Pete Flint, general manager da NFX, as empresas tradicionais e startups precisam seguir os trechos de água rápida do mercado, porque lá estão as tendências de futuro

O fim do sistema de comando e controle

Entrevista

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede. "Não é rocket science", diz ela....

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Entrevista

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Em entrevista exclusiva à THE SHIFT, Leonardo Lourenço, Head Geral da Simple2u, conta como a insurtech criada dentro do sandbox regulatório da Susep, repensa o segmento.

Entrevista

"Precisamos de resolvedores de problemas e não de especialistas em di...

"É impensável fazer comunicação de marca sem tecnologia." Mas isso exige pessoas curiosas, capazes de conectar os pontos, diz Karina Barcellos, CSO da agência de comunicação estratégica Another Company.

Entrevista

"O céu não é mais o limite"

O mexicano Eduardo Guizar quase não acreditou quando viu o rover Curiosity pousar em Marte. Parte da equipe da NASA que construiu o astromóvel para explorar a superfície do planeta, ele conta por que é importante mirar o espaço