s
Cynthia Hobbs é CFO do GetNinjas e faz parte do conselho da Natura e do Lopes Supermercados Crédito: Risnic Fotografia
ENTREVISTA

“As mulheres não são convidadas para fazer parte da panelinha dos boards”

Cynthia Hobbs, CFO do GetNinjas, faz parte de um grupo reduzido de mulheres que procuram ampliar a presença feminina no alto escalão das companhias e nos conselhos das empresas

Por Soraia Yoshida 13/05/2022

As mulheres que ocupam posições em conselhos de companhias globais permanecem, em média, 4,4 anos na cadeira, enquanto os homens ficam em média 5,8 anos. No mundo todo, apenas 19,7% dos assentos são ocupados por mulheres. Achou pouco? Já foi pior: desde 2018, o crescimento foi de 2,8 pontos porcentuais. Mas paridade, se chegar, vai ser apenas por volta de 2045, aponta o relatório “Women in the boardroom”, realizado pela consultoria organizacional Deloitte, feita em 51 países com a participação de 10.493 empresas.

O mesmo relatório aponta que o Brasil está bem atrás em vários indicadores: Por aqui, a participação feminina nos boards é de 10,4%. Ainda assim, representa um avanço: o país registrou um aumento de 1,8% no número de cadeiras ocupadas por mulheres nos conselhos administrativos.

“O que as mulheres querem é muito simples: igualdade de oportunidades”, afirma Cynthia Hobbs, Chief Financial Office (CFO) do GetNinjas, plataforma online que conecta clientes a freelancers e prestadores de serviços pelo país. Como conselheira fiscal certificada, Cynthia faz parte desse reduzido cenário de mulheres que levam seu expertise, experiência e visão para diversificar as conversas e abordagens dos boards. Segundo ela, não faltam mulheres capazes de assumir esse desafio; o que falta é abrirem a porta para esse universo fechado dos conselhos, em que muitas vezes vale mais quem você conhece. Ou, pelo menos, essa tem sido sua experiência. “A diversidade da experiência, do olhar, eu acho que as empresas precisam estar abertas a isso. Porque não é só pagar o mesmo salário. Eu vejo que as empresas estão se preparando para dar mais oportunidade – porque se deixar para que esse processo aconteça naturalmente, não vai acontecer”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Entrevista

"O mercado é darwinista"

Caroline Marcon - consultora organizacional especializada na transformação cultural de grandes empresas - se preocupa com a enorme mobilidade enfrentada no último ano pelos gestores de talentos e também com as aflições crescentes dos...

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

Entrevista

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

A visibilidade de ponta a ponta das cadeias de suprimento aumenta a resiliência das operações logísticas, como explica Bart De Muynck, Chief Industry Officer da project44, em entrevista à THE SHIFT. Entretanto, o setor ainda é resiste...

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

Inteligência Artificial

"Temos o dever de nos preocupar"

Em entrevista à The Shift, Reggie Townsend, diretor da prática de ética em dados do SAS, fala sobre o imperativo da ética para a IA e sobre ter um "viés positivo" nas aplicações de impacto.

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Entrevista

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Filip De Fruyt, Professor da Universidade de Ghent, na Bélgica e membro do conselho científico do eduLab 21, do Instituto Ayrton Senna, explica, em entrevista exclusiva à THE SHIFT, que perfis profissionais estão mais aptos a enfrentar...

Jeeves, um unicórnio latino-americano que ruge

Entrevista

Jeeves, um unicórnio latino-americano que ruge

Em menos de 18 meses, a Jeeves captou US$ 368 milhões, tem mais de 3 mil clientes e atua em 24 países. Chega ao Brasil para apoiar startups com crédito sem burocracia