s
Inserindo o Design Thinking, é possível projetar a solução certa e também incorporar a capacidade de adaptação à mudança Crédito: Parabol/Unsplash (https://www.parabol.co/)
GESTÃO

Agilidade de mudança: 10 lições para empresas que querem se destacar

Mudar não é fácil. E tentar mudar tudo de uma vez dentro da empresa é abrir caminho para o fracasso. Esta pesquisa traz alguns insights de como mudar do jeito certo

Por Soraia Yoshida 14/02/2022

As mudanças que impactaram o mundo do trabalho nos últimos anos se transformaram em novas práticas que estão sendo aprimoradas, processos que ganham escala e aprendizados para desenvolver soluções inovadoras para a empresa e para os clientes. Mas ainda falta agilidade para promover outras mudanças que, se não forem feitas rapidamente, vão deixando a organização para trás. Gerenciar mudanças em um novo clima de negócios, quando feita da melhor maneira, faz com que líderes e pessoas de alto desempenho sejam capazes de reforçar a missão e o propósito da empresa. Isso conduz à criação de equipes multifuncionais para projetar e implementar novos processos e maneiras de fazer as coisas – mantendo esse impulso da grande mudança.

Um novo relatório “The Big Reset Playbook: Change Agility”, do analista de tendências de trabalho Josh Bersin e sua equipe, aponta que que as empresas que desenvolvem agilidade na mudança são mais lucrativas, têm taxas mais altas de engajamento e retenção de funcionários e seus clientes são mais felizes. A pesquisa é baseada em conversas sobre mudança e transformação digital que ocorreram como parte da iniciativa Big Reset. Iniciada no início da pandemia, que contou com líderes de RH e negócios em todos os segmentos da indústria. A partir de grupos de trabalho, os líderes compartilharam as melhores práticas e desafios em áreas como DEI (Diversidade, Equidade e Inclusão), experiência do funcionário, tecnologia, bem-estar do funcionário, design organizacional e recrutamento. E o que ficou claro que ter agilidade de mudança é algo não apenas desejável, mas está se tornando mais e mais imprescindível em um mundo de negócios incerto e mutável.

Mas do que estamos falando quando falamos de agilidade de mudança? Para consultorias como a McKinsey, a agilidade na mudança é a capacidade de identificar e aproveitar oportunidades no ambiente mais rapidamente do que os concorrentes. “Em um ambiente comercial e social em rápida mudança, algumas organizações nascem ágeis, algumas alcançam agilidade e algumas têm agilidade imposta a elas”, cita o white paper “The five trademarks of agile organizations”, de 2018. Na pesquisa “The impact of agility: How to shape your organization to compete", com mais de 2.000 respondentes, a consultoria aponta que “a agilidade resulta em uma mudança radical no desempenho e possibilita a superação das organizações nascidas ágeis. As transformações ágeis altamente bem-sucedidas normalmente proporcionam ganhos de cerca de 30% em eficiência, satisfação do cliente, envolvimento dos funcionários e desempenho operacional; tornou a organização cinco a dez vezes mais rápida; e inovação turbinada”.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Quer inovar? Olhe para dentro

Inovação

Quer inovar? Olhe para dentro

Ao apostar no empreendedorismo interno, as empresas aproveitam o talento dos colaboradores e aumentam as chances de inovar de forma acelerada.

IA e a construção da estratégia

Inteligência Artificial

IA e a construção da estratégia

A IA estratégica é uma ferramenta que pode simplificar a vida dos executivos. Um meio de acelerar o impacto, lidar com disrupções e desbloquear novas oportunidades de mercado. Mas ela deve servir ao negócio e não o contrário.

A erupção dos

Tendências

A erupção dos "colarinhos verdes"

As empresas que, no ano passado, sofreram uma fuga de talentos poderão ter dificuldades se quiserem contratar uma nova leva de profissionais. É que os green jobs estão absorvendo esta mão-de-obra, ao mesmo tempo em que a qualifica.

RH, equilibrista de pratos em 2023

Gestão

RH, equilibrista de pratos em 2023

Se dizemos que, nos últimos tempos, a vida do CEO não tem sido fácil, imagine a dos gestores de talentos? Tendo que disputar profissionais em um mercado de demanda aquecida, retê-los e ainda promover um ambiente de inovação que qualif...

2023: um ano de ventos e trovoadas

Tendências

2023: um ano de ventos e trovoadas

Lá fora recessão. No Brasil, transformação. O ano de 2023 promete mares bravios para os CEOS - capitães fortalecidos pela tempestade-pandemia e seus rescaldos no ambiente corporativo. A THE SHIFT mapeou as tendências que podem afetar...

As lideranças estão precisando de terapia

Liderança

As lideranças estão precisando de terapia

Depois das contínuas avalanches pandêmicas e corporativas, os líderes estão inseguros e não estão mais sabendo como inspirar e reforçar suas equipes. Trata-se de um movimento natural e que tem remédio no curto prazo. Aliás, acredit...

Por Cristina De Luca