s
Crédito: Divulgação

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

AES Brasil sai na frente para o mercado livre de energia

A companhia, anteriormente conhecida como AES Tietê, acaba de lançar uma plataforma digital para atender pequenas e médias empresas

Por Soraia Yoshida 25/11/2020

Faz tempo que a “velha economia” entendeu que fechar acordos com startups pode injetar um pensamento diferente para gerar novos negócios e soluções para antigos problemas. Agora pense no setor de energia: faz todo sentido criar uma plataforma digital para atender empresas de médio porte na compra e uso de energia dentro do mercado livre. E em vez de perder anos desenvolvendo tecnologia in-house, fechar acordos com startups da área financeira e de energia. Foi essa a decisão da AES Brasil, que acaba de lançar a plataforma Energia+, que se propõe a ser a primeira opção de migração para pequenos e médios consumidores dentro do mercado livre.

“Nossa plataforma é toda colaborativa. Nós não sabemos tudo, então chamamos várias startups para compor esse trabalho”, diz Ítalo Freitas, CEO da AES Brasil, antiga AES Tietê. Juntamente com o lançamento da plataforma Energia +, a companhia decidiu emplacar a mudança de nome e logo. Segundo ele, a análise de crédito dos futuros clientes fica a cargo de uma fintech, outra cuida do serviço de monitoramento de gasto de energia, uma gerencia a emissão de certificados I-Rec. O movimento não é grauito e nem recente. “Nós fomos a primeira empresa a acelerar startups no mercado de energia brasileiro e contamos com um time de inovação para construir esse desenho”, afirma.

A escolha das techs ficou a cargo da equipe de inovação da companhia, que vem trabalhando há alguns anos para ajudar na digitalização que se torna agora mais evidente. Tanto que, como acontece nas startups, a experiência do consumidor estará no centro das ações. “A plataforma é um modelo vivo e vai desenvolver com o tempo. Nós já temos um roadmap de desenvolvimento, mas vamos aprender mais agora que a plataforma está no ar”, diz o CEO da AES Brasil.

Receba grátis nossa newsletter

Uma das startups que está atuando com a AES Brasil é a IOUU, que cuidará do crédito a juros negociados para financiar a adequação da migração para o mercado livre. A ferramenta de análise do crédito faz uso de Inteligência Artificial (IA). Há mais tecnologia espalhada na construção da plataforma, na operacionalização e nos serviços.

A plataforma funciona praticamente como uma marketplace. A empresa faz seu cadastro e após a aprovação, escolhe quanto quer pagar pelo pacote e se vai comprar também medidores inteligentes para instalação e outros serviços, como monitoramento de gastos, que emprega machine learning. Por exemplo: se a empresa deixa luzes acesas em áreas em que não há necessidade, o sistema poderá apontar onde está o desperdício para que seja corrigido. “O nosso objetivo que o consumo de energia seja feito de uma forma mais eficiente e inteligente”, afirma Ítalo Freitas.

Boa parte do que o consumidor não vai ver é o trabalho com dados. Além de contratar uma empresa para fazer esse desenvolvimento juntamente com a AES Brasil, a empresa também conta com seus cientistas de dados – talentos desenvolvidos ali dentro e que foram capacitados para fazer essa transformação. A energia que as empresas poderão comprar é 100% renovável e vem das usinas próprias da companhia.

A abertura total do mercado livre de energia está prevista para 2024 e deve sacudir o setor de energia. Até agora, a AES Brasil operava somente com grandes empresas. Há aproximadamente 7,5 mil empresas de altíssimo consumo no país: companhias do setor de produção de aço, de alumínio de mineração. “Os grandes consumidores têm uma equipe que sabe manusear o mercado de energia, com engenheiros especializados, pois a energia é relevantíssima para essas empresas. Elas seriam o ‘atacado’”, explica. “Com a abertura, nós vamos chegar aí a uns 40 mil ou mais clientes, que nós chamamos de ‘atacarejo’, em que algumas empresas têm um profissional que conhece o mercado, mas há uma fatia que quer sair da distribuidora e ter muito mais valor agregado para entender como está consumindo energia. E que quer ter o preço menor no final do mês.”

Para essa categoria de cliente, a plataforma pode fazer muita diferença. Ele terá acesso a uma série de ferramentas e tecnologias que a própria AES Brasil usa internamente para seus projetos. “A nuvem que ele vai usar é a mesma que nós usamos”, sintetiza Freitas. Até por fazer esse aproveitamento, o custo de desenvolvimento da plataforma ficou abaixo de R$ 1,5 milhão, de acordo com o CEO. “Todas as ferramentas que nós utilizamos já estão na nossa cloud, já está tudo contratado e são sistemas nativos. Nós simplesmente viramos o canhão para fora”, diz. “Da mesma forma que a gente faz para os nossos ativos, nós vamos fazer para o ativo do cliente”.

Quer dizer que tudo são nuvens na digitalização de um setor tão tradicional quanto o de energia? Não e o presidente da AES Brasil é o primeiro a admitir. “É uma evolução, mas não vai ser fácil. Por trás dessa plataforma continua o velho sectorzão tradicional de energia, com grandes projetos. Vamos ter de construir as usinas eólicas, as hidrelétricas e as usinas de energia solar. E tem a questão dos financiamentos, das garantias. É uma mudança não apenas do setor elétrico, mas de todos que estão ao redor dele. Esse é o grande desafio”, afirma.

E vai levar quanto tempo? Uma década para mudar? “Não, isso muda em dois, três anos. Tudo está mais rápido e é inevitável”. O setor de energia tem um encontro marcado com 2024 e o relógio já está contando.

 

10 tecnologias emergentes mais importantes em 2020

Inovação

10 tecnologias emergentes mais importantes em 2020

O Fórum Econômico Mundial reuniu especialistas para montar o ranking das novas tecnologias que vão mudar os negócios e nossas vidas

Por Redação The Shift
Usinas de energia virtuais: a solução para os problemas de energia?

Inovação

Usinas de energia virtuais: a solução para os problemas de energia?

Startups e concessionárias já estão olhando para empresas e residência com painéis solares ou turbinas como potencial rede de minicentrais de energia

Por Redação The Shift
Um modelo disruptivo para trazer energia livre

Sustentabilidade

Um modelo disruptivo para trazer energia livre

A plataforma da Omega traz para o mercado de energia um modelo disruptivo semelhante ao que a cloud computing trouxe para os dados, com a contratação de infraestrutura as-a-service

Por Redação The Shift