s
Crédito: Shutterstock

TENDÊNCIAS

Tendências tecnológicas estratégicas para 2021, segundo o Gartner

AI Engineering, Total Experience(TX), Internet of behaviors, Cybersecurity Mesh, nuvem distribuída e hiperautomação estão entre elas

Por Redação The Shift 19/10/2020

Tendências tecnológicas quase sempre apontam as aspirações e estratégias que definirão o tom nos meses seguintes. Mas desta vez, as tendências anunciadas pelo Gartner para 2021 soam mais pragmáticas.

A necessidade de resiliência operacional em todas as funções corporativas nunca foi tão grande”, disse Brian Burke, vice-presidente de pesquisa da  consultoria.

À medida que as organizações procuram responder à crise provocada pela pandemia de Covid-19  e impulsionar algum crescimento, elas precisam se concentrar em três áreas principais que formam os temas das tendências deste ano: centralização nas pessoas, independência de localização e entrega resiliente. Juntas, essas tendências criam um todo que é maior do que suas partes individuais. A saber:

Receba nossa newsletter

Internet of behaviors (IoB) – A Internet de comportamentos (IoB) está surgindo à medida que muitas tecnologias capturam e usam nossas pegadas digitais. Combina tecnologias existentes que focam no indivíduo – Reconhecimento Facial, rastreamento da localização e Big Data, por exemplo – e conecta os dados resultantes a eventos comportamentais associados, como compras em dinheiro ou uso de dispositivo.

As organizações usam esses dados para influenciar o comportamento humano. Por exemplo, para monitorar a conformidade com os protocolos de saúde durante a pandemia em curso, as organizações aproveitam a IoB por meio de visão computacional para ver se os funcionários estão usando máscaras ou por meio de imagens térmicas para identificar quem está com febre.

O termo “Internet of Behaviors” foi cunhado pela primeira vez nas previsões de tecnologia do Gartner para 2020 . A consultoria prevê agora que até o fim de 2025 mais da metade da população mundial estará sujeita a pelo menos um programa IoB, seja ele comercial ou governamental.

Ah! Embora a IoB seja tecnicamente possível, haverá extensos debates éticos e sociais sobre as diferentes abordagens empregadas para influenciar comportamentos.

Total Experience (TX) – “No ano passado, o Gartner apresentou a Multiexperiência como uma das principais tendências estratégicas e está dando um passo adiante neste ano com a Experiência Total (TX), uma estratégia que conecta a Multiexperiência às disciplinas de User Experience (UX), Customer Experience (CX) e Employee Experience (EX)”, explica Brian Burke. “O Gartner espera que as organizações que forneçam TX superem as concorrentes nas principais métricas de satisfação nos próximos três anos.”

As organizações precisam de uma estratégia de TX à medida que as interações se tornam mais móveis, virtuais e distribuídas, principalmente devido à Covid-19. O TX se esforça para melhorar as várias experiências para alcançar um resultado comercial transformado. Essas experiências interseccionadas são momentos-chave para as empresas em recuperação da pandemia que buscam alcançar a diferenciação por meio da capitalização de novos interruptores experienciais.

Privacy-enhancing computation – Em todas as regiões os CIOs enfrentam hoje mais riscos de privacidade e não conformidade, conforme legislações de proteção de dados amadurecem. Ao contrário dos controles de segurança de dados em repouso, mais comuns, a privacy-enhancing computation protege os dados em uso, enquanto.

Até 2025 metade das grandes organizações implementará tecnologias que foquem em privacidade para processamento de dados em ambientes não confiáveis ​​e casos de uso de análise de dados envolvendo várias partes.

Nuvem Distribuída – Tendência tecnológica estratégica também no ano passado, a nuvem distribuída leva os serviços de nuvem pública a diferentes locais físicos. Fornece um ambiente ágil para cenários organizacionais com baixa latência, necessidades de redução de custos de dados e requisitos de residência de dados. Também atende à necessidade de os clientes terem recursos de computação em nuvem mais próximos do local físico onde os dados e as atividades de negócios acontecem.

Em 2025, a maioria das plataformas de serviço em nuvem fornecerá alguns serviços distribuídos e a maioria das organizações usará a nuvem distribuída onde quiser.

Anywhere Operations – Operações em qualquer lugar se referem a um modelo operacional de TI projetado para oferecer suporte a clientes em todos os lugares, habilitar funcionários em todos os lugares e gerenciar a implantação de serviços de negócios em infraestruturas distribuídas.

É mais do que simplesmente trabalhar em casa ou interagir com os clientes virtualmente. Passa pela oferta de experiências únicas de valor agregado em cinco áreas principais: colaboração e produtividade, acesso remoto seguro, nuvem e infraestrutura de ponta, quantificação da experiência digital e automação para suporte remoto operações.

Ao final de 2023, 40% das organizações terão aplicado operações em qualquer lugar para fornecer experiências virtuais e físicas otimizadas e combinadas para clientes e funcionários.

Cybersecurity Mesh – A malha de segurança cibernética permite que qualquer pessoa acesse qualquer ativo digital com segurança, não importa onde o ativo ou pessoa esteja localizado. Ele separa a aplicação das políticas de tomada de decisões por meio de um modelo de entrega em nuvem e permite que a identidade se torne o perímetro de segurança.

Em 2025, a Cybersecurity Mesh oferecerá suporte a mais da metade das solicitações de controle de acesso digital.

Intelligent Composable Business – Essa estratégia usa dados, análises e aplicativos para melhorar a forma como os líderes tomam decisões de negócios. É um salto em relação aos processos de negócios estáticos que impedem as empresas de se adaptarem rapidamente e depende de um ciclo de feedback em tempo real.

“Os processos de negócios estáticos que foram construídos para eficiência eram tão frágeis que se estilhaçaram com a pandemia”, afirma Burke. “Enquanto os CIOs e líderes de TI lutam para juntar as peças, eles estão começando a entender a importância dos recursos que se adaptam ao ritmo das mudanças nos negócios.”

Em 2023, essa estratégia permitirá que as organizações superem a velocidade de implementação de novos recursos em 80%, de acordo com o Gartner.

AI Engineering – Pesquisa do Gartner mostra que apenas 53% dos projetos de Inteligência Artificial passam do protótipo à produção. CIOs e líderes de TI acham difícil dimensionar projetos de IA porque não têm as ferramentas para criar e gerenciar um pipeline. O caminho para a produção de IA significa recorrer à AI Engineering, uma disciplina focada na governança e gerenciamento do ciclo de vida de uma ampla gama de soluções de IA e modelos de aprendizado de máquina.

A AI Engineering assenta em três pilares principais – DataOps, ModelOps e DevOps. Uma estratégia robusta facilitará o desempenho, escalabilidade, interpretabilidade e confiabilidade dos modelos de IA, ao mesmo tempo que oferecerá valor aos investimentos em IA.

Hyperautomation – A hiperautomação orientada a negócios é uma abordagem usada pelas organizaçõe para identificar, examinar e automatizar rapidamente o maior número possível de processos de negócios e de TI. Embora a hiperautomação esteja tendendo a um ritmo implacável nos últimos anos, a pandemia aumentou a demanda com a necessidade repentina de que tudo seja “digital first”. Como resultado, o acúmulo de solicitações das partes interessadas de negócios levou mais de 70% das organizações comerciais a empreender dezenas de iniciativas de hiperautomação.

“A hiperautomação agora é inevitável e irreversível. Tudo o que pode e deve ser automatizado será automatizado ”, afirma Burke.

Tendências para o e-commerce pós-Covid

Transformação Digital

Tendências para o e-commerce pós-Covid

Muita coisa mudou no comércio eletrônico desde o início da pandemia. Confira cinco áreas que serão impactadas devido à mudança nos comportamentos de compra

Por Redação The Shift
10 futuros possíveis depois da pandemia

Inovação

10 futuros possíveis depois da pandemia

A disrupção causada pelo novo coronavírus abriu um abismo de incertezas para empresas, que consultorias e futuristas estão tentado preencher

Por Redação The Shift
10 ideias do futuro que chegaram mais cedo

Tendências

10 ideias do futuro que chegaram mais cedo

O futurista Rohit Bhatgava lista dez tendências para o ano. Muitas já estão entre nós, outras caminham rapidamente para se tornar realidade na pós-pandemia

Por Redação The Shift