s
STARTUPS

Venture Debt ganha tração no Brasil

As vantagens? Capitalizar e alavancar o crescimento das empresas sem diluição societária e com ganhos maiores para os investidores credores, com direito a bônus se a startup for bem-sucedida

Todo fundador sabe como pode ser estressante aumentar o patrimônio de sua empresa, especialmente quando os mercados estão em turbulência. Mas já faz algum tempo que os VCs deixaram de ser a única opção de captação de recursos para startups. Uma outra modalidade de financiamento, chamada Venture Debt (ou dívida de rico, em português), vem crescendo em todo mundo como alternativa para aquelas empresas que precisam de fôlego financeiro maior que o seu faturamento e/ou os investimentos obtidos em rodadas anteriores, seja para capital de giro, para a aquisição de uma nova empresa, ou recompra de ações, por exemplo, mas não tem como obter a liquidez necessária através de operações tracionais como um empréstimo.

“Venture debt é a captação de grana por meio de dívida junto a fundos de investimento, principalmente, paga acrescida de uma taxa de juros variável, geralmente mais alta. É um dinheiro muito caro”, explica Renata Simon, sócia do Candido Martins Advogados. Então, é vantajoso? Sim. Para a startup, possibilita esticar o runway sem a obrigatoriedade de uma nova diluição acionária. Ela não ganha um novo sócio, ganha um credor. Já quem investe olha para a possibilidade de uma remuneração maior, em um prazo menor: cerca de dois a três anos. Cinco, no máximo. O retorno geralmente acontece na forma de parcelas a serem definidas entre os sócios da empresa e os investidores. E quase sempre inclui um kicker, que é uma remuneração atrelada ao sucesso da empresa durante o período da dívida. 

Existem quatro componentes principais de custo. Uma taxa inicial para organizar a instalação, taxas de juros com flexibilidade de reembolso, uma taxa de pagamento final e garantia flexível de acordo com as características e necessidades da startup. Em muitos aspectos, o processo é semelhante ao de uma hipoteca. Os credores avaliam sua qualidade de crédito, a força de sua garantia e a probabilidade de inadimplência para decidir sobre os termos ajustados ao risco a serem oferecidos. Medem o risco do investimento (e a taxa de juros correspondente) com base no desempenho do negócio no pior cenário possível. E liberam o necessário para permitir que a startup execute seu plano de negócios e passe ao próximo estágio de sua jornada de crescimento. 

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mantém

Tendências

Correção no mercado latino: investimentos caem, mas otimismo se mant...

Segundo estudo da LAVCA, 2022 já é o segundo melhor ano para os investimentos de Venture Capital na América Latina.

Como investidores de Venture Capital avaliam startups

The Shift 360°

Como investidores de Venture Capital avaliam startups

O pitch ainda é importante, e fundos de Venture Capital estão à procura de soft skills como resiliência e confiança

Por João Ortega
Corporate Venture Capital: alinhamento é chave para empresas e startups

The Shift 360°

Corporate Venture Capital: alinhamento é chave para empresas e startu...

Modelo de Inovação Aberta por meio de investimento gera benefícios além do capital, mas pode trazer riscos ao empreendedor

Por João Ortega
A jornada de captação da startup e as alternativas para obter investimento

The Shift 360°

A jornada de captação da startup e as alternativas para obter invest...

Entenda quem são os players do ecossistema de investimentos em startups e em que etapas da evolução de uma empresa eles se inserem

Por João Ortega
Chove dinheiro para os founders da Web3

Economia Digital

Chove dinheiro para os founders da Web3

US$ 33 bilhões foram investidos nos empreendimentos ligados a blockchain, DeFi, DAO e crypto em 2021. Novos fundos de VC continuam a surgir em 2022

Dry powder em alta no venture capital

Fintechs

Dry powder em alta no venture capital

O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.