s
Em 2022, os cofres dos VCs estão cheios de capital.
FINTECHS

Dry powder em alta no venture capital

O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

A maré já foi melhor para as startups. Fundador da gestora americana TSVC, Eugene Zhang recomenda que os founders não foquem no pico de investimento dos últimos anos. “Dizemos a eles que esqueçam os últimos três anos. Voltem para 2019 ou 2018, antes da pandemia", alerta. Esse é mais um atestado da desaceleração dos aportes. Enquanto isso, os cofres dos VCs estão cheios de capital. O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

As notícias da criação de novos fundos pelo mundo comprovam a tese de que os investidores têm capital. Só falta alocar. No Brasil, a Astella vai fechar seu quinto fundo. A gestora está perto da meta de US$ 150 milhões - o closing deve ocorrer em setembro. No mercado nacional, o dry powder é de mais de R$ 17 bilhões, segundo relatório da JUPTER e da Anjos&VCs.

Na visão dos investidores, os Limited Partners (LPs) entendem que o ciclo de investimentos é de longo prazo. Uma potencial correção da indústria também era esperada - não é a primeira vez que ela ocorre. “Os fundos globais estão todos captados. Há muito dry power. Estamos chegando agora aos preços de 2017, com qualidade de produto de 2023. Achamos que esta será a melhor safra para investir porque estamos pegando um excelente ponto de entrada”, afirma Edson Rigonatti, cofundador da Astella, ao Bloomberg Línea.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Cogumelado: funghi-based é outra alternativa para a carne

Startups

Cogumelado: funghi-based é outra alternativa para a carne

Com produtos enlatados, hambúrguer e linguiça de cogumelo, a foodtech Cogumelado quer trazer uma boa experiência para quem busca comer menos carne.

Alinhadas com o ESG, startups de impacto querem solucionar problemas

Startups

Alinhadas com o ESG, startups de impacto querem solucionar problemas

O ecossistema brasileiro de startups de impacto está ganhando forma. As soluções podem ajudar empresas a atingirem as metas ESG e governos a lidarem com questões socioambientais

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Fintechs

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Os dados são centrais no Open Finance, mas nem sempre os bancos conseguem gerar valor a partir das informações. Startups ajudam a criar melhores produtos de finanças abertas com a conversão de dados dos usuários em insights.

Brasil pode ser um polo de deep techs

Inovação

Brasil pode ser um polo de deep techs

O Brasil tem potencial de ser destaque em alguns temas, como biodiversidade e saúde. É essencial aproximar a ciência do mercado e sistematizar uma estratégia para fomentar a formação de um ecossistema nacional de soluções.

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

Entrevista

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

A visibilidade de ponta a ponta das cadeias de suprimento aumenta a resiliência das operações logísticas, como explica Bart De Muynck, Chief Industry Officer da project44, em entrevista à THE SHIFT. Entretanto, o setor ainda é resiste...

Fazendas verticais: startups apostam em uma nova agricultura

Inovação

Fazendas verticais: startups apostam em uma nova agricultura

Com a aplicação de IoT, automação e soluções de software, as startups estão revolucionando a agricultura nacional ao formarem fazendas verticais indoor. Essas agtechs podem ser a solução para o abastecimento das cidades e a seguran...