s
Em 2022, os cofres dos VCs estão cheios de capital.
FINTECHS

Dry powder em alta no venture capital

O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

A maré já foi melhor para as startups. Fundador da gestora americana TSVC, Eugene Zhang recomenda que os founders não foquem no pico de investimento dos últimos anos. “Dizemos a eles que esqueçam os últimos três anos. Voltem para 2019 ou 2018, antes da pandemia", alerta. Esse é mais um atestado da desaceleração dos aportes. Enquanto isso, os cofres dos VCs estão cheios de capital. O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

As notícias da criação de novos fundos pelo mundo comprovam a tese de que os investidores têm capital. Só falta alocar. No Brasil, a Astella vai fechar seu quinto fundo. A gestora está perto da meta de US$ 150 milhões - o closing deve ocorrer em setembro. No mercado nacional, o dry powder é de mais de R$ 17 bilhões, segundo relatório da JUPTER e da Anjos&VCs.

Na visão dos investidores, os Limited Partners (LPs) entendem que o ciclo de investimentos é de longo prazo. Uma potencial correção da indústria também era esperada - não é a primeira vez que ela ocorre. “Os fundos globais estão todos captados. Há muito dry power. Estamos chegando agora aos preços de 2017, com qualidade de produto de 2023. Achamos que esta será a melhor safra para investir porque estamos pegando um excelente ponto de entrada”, afirma Edson Rigonatti, cofundador da Astella, ao Bloomberg Línea.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Radiografia dos negócios de impacto no Brasil

Startups

Radiografia dos negócios de impacto no Brasil

O primeiro relatório "Startup de Impacto Report Brasil" do Observatório Sebrae de Startups apresenta o panorama das principais startups de impacto no Brasil.

O negócio de fechar startups

Startups

O negócio de fechar startups

Empresas especializadas em fechar startups, como a Sunset e SimpleClosure, estão recebendo investimentos de milhões de dólares mostrado o início de um novo mercado.

O sucesso está na cabeça dos fundadores

Startups

O sucesso está na cabeça dos fundadores

Um novo estudo científico sobre startups dá uma nova dimensão à frase "personalidade de sucesso"

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Startups

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Scale-ups são startups que chegaram à vida adulta e crescem, no mínimo 20% ao ano, sua receita recorrente. Sua habilidade de escalar os negócios merece ser estudada pelas empresas tradicionais, já que apenas uma em cada 200 startups ch...

2024, o ano dos unicorpses

Startups

2024, o ano dos unicorpses

Dez anos depois que o termo Unicórnio foi estabelecido o cenário atual está cada vez mais difícil para as startups conseguirem prosperar no mercado gerando vários “unicorpses”

Para onde correm os unicórnios?

Startups

Para onde correm os unicórnios?

Aileen Lee, sócia da Cowboy Ventures, dez anos depois de seu artigo "Welcome to the unicorn club" escreve uma nova análise sobre o futuro dessas empresas