s
Em 2022, os cofres dos VCs estão cheios de capital.
FINTECHS

Dry powder em alta no venture capital

O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

A maré já foi melhor para as startups. Fundador da gestora americana TSVC, Eugene Zhang recomenda que os founders não foquem no pico de investimento dos últimos anos. “Dizemos a eles que esqueçam os últimos três anos. Voltem para 2019 ou 2018, antes da pandemia", alerta. Esse é mais um atestado da desaceleração dos aportes. Enquanto isso, os cofres dos VCs estão cheios de capital. O dry powder global chegou a quase US$ 539 bilhões em julho, segundo dados da Preqin. Desde o final do ano passado, mais de US$ 100 bilhões entraram na categoria de capital comprometido, mas não investido.

As notícias da criação de novos fundos pelo mundo comprovam a tese de que os investidores têm capital. Só falta alocar. No Brasil, a Astella vai fechar seu quinto fundo. A gestora está perto da meta de US$ 150 milhões - o closing deve ocorrer em setembro. No mercado nacional, o dry powder é de mais de R$ 17 bilhões, segundo relatório da JUPTER e da Anjos&VCs.

Na visão dos investidores, os Limited Partners (LPs) entendem que o ciclo de investimentos é de longo prazo. Uma potencial correção da indústria também era esperada - não é a primeira vez que ela ocorre. “Os fundos globais estão todos captados. Há muito dry power. Estamos chegando agora aos preços de 2017, com qualidade de produto de 2023. Achamos que esta será a melhor safra para investir porque estamos pegando um excelente ponto de entrada”, afirma Edson Rigonatti, cofundador da Astella, ao Bloomberg Línea.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Com Oxygea, a Braskem mira no futuro

Inovação

Com Oxygea, a Braskem mira no futuro

O hub foi criado como uma empresa apartada da Braskem, mas apoia o desenvolvimento de startups capazes de solucionar os desafios ambientais da incumbente.

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

Tendências

Após regulamentação, startups inovam na telemedicina veterinária

O atendimento remoto já era praticado, mas regulamentação deve fazer o modelo evoluir. Novas oportunidades de negócio foram criadas.

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Entrevista

Simple2u: como a MAG enfrenta a transformação dos seguros

Em entrevista exclusiva à THE SHIFT, Leonardo Lourenço, Head Geral da Simple2u, conta como a insurtech criada dentro do sandbox regulatório da Susep, repensa o segmento.

A economia espacial vai crescer e gerar mais inovação na Terra

Inovação

A economia espacial vai crescer e gerar mais inovação na Terra

O ex-CTO da NASA e CEO da Space Tech Astra, Chris Kemp, acredita que é necessário criar uma economia espacial aberta, na qual colaborações inventivas a tornem livre e competitiva.

Por Linda Lacina | Fórum Econômico Mundial
Energia perdida no ar para a Indústria 4.0

Internet das Coisas

Energia perdida no ar para a Indústria 4.0

Deep tech brasileira criou um método para reciclar ondas eletromagnéticas dispersas no ar como fonte de energia para dispositivos IoT. A solução se encaixa na crescente digitalização da Economia.

Venture Debt ganha tração no Brasil

Startups

Venture Debt ganha tração no Brasil

As vantagens? Capitalizar e alavancar o crescimento das empresas sem diluição societária e com ganhos maiores para os investidores credores, com direito a bônus se a startup for bem-sucedida