s
INOVAÇÃO

Um mapa para a nova era

O artigo “On the cusp for a New Era”, publicado pelo McKinsey Global Institute esta semana, propõe uma reflexão se – em um cenário aparentemente distópico - encontraremos o próximo motor de produtividade para impulsionar o crescimento

Por Rosane Serro 27/10/2022

Na próxima década, a tecnologia pode deixar sua posição de vanguarda para assumir um papel preponderante na competição geopolítica e de poder mundial. Condições não lhe faltam: ela permeia praticamente todos os setores da economia e determina sua dinâmica. Além disso, isto ocorre em um momento em que a geopolítica global está mudando de forma imprevisível, o que torna a autonomia em tecnologias estratégicas um tema crítico para as Nações - como é o caso da corrida pela primazia da IA entre as grandes potências em curso, atualmente.

A Conclusão consta do artigo para discussão “On the cusp for a New Era” publicado pelo McKinsey Global Institute e divulgado esta semana. Segundo o estudo, a reflexão se impõe na medida em que estamos passando por uma “combinação enervante de uma pandemia global agravada pela escassez de energia, inflação rápida e as tensões fervendo, que fazem as pessoas se perguntarem quais são as certezas que restam”. No artigo, o MGI propõe uma “conversa sobre o futuro” e sugere um quadro para imaginar a nova era a partir de uma “perspectiva tectônica” da História. E alerta: “Descobrir como responder ao momento atual e ao caminho a seguir é complexo e exige ousadia”, garante o texto, que também aconselha os líderes a não se deixarem levar pelo pessimismo.

Terremotos de grande magnitude

O artigo se baseia no questionamento se – em um cenário aparentemente distópico - encontraremos o próximo motor de produtividade para impulsionar o crescimento. Para mapear as implicações econômicas, sociais, demográficas, energéticas, tecnológicas e de exploração dos recursos naturais da nova Era que se inicia, o MGI lembra que nós já passamos por períodos anteriores de inflexão e reordenamento global que resultaram na concorrência de grandes eventos: (1) o fim da Segunda Guerra Mundial (1944-1946), o período em torno da crise do petróleo (1971-1973), e a época da dissolução da União Soviética (1989-1992).

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Chega de embromação:

Entrevista

Chega de embromação: "temos que colocar dinheiro nas mãos das mulhe...

Para a CEO da socialtech B2Mamy, Dani Junco, só o dinheiro liberta. Por isso, as startups e as iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino devem receber mais cheques.

É real: dados e IA turbinam vendas

Inteligência Artificial

É real: dados e IA turbinam vendas

Não faltam exemplos, em diferentes pontos do processo, como mostram os cases das startups Nubimetrics, RelevanC e Retargetly

Bancos devem inovar mais para continuarem competitivos

Tendências

Bancos devem inovar mais para continuarem competitivos

Principalmente explorar oportunidades para aumentar os recursos de pagamentos por meio de DLTs, CDBCs, tokenização e outras soluções

Entre as startups, falta governança corporativa

Liderança

Entre as startups, falta governança corporativa

A recomendação é aplicar práticas de governança desde o começo e evoluir com o crescimento da companhia.

Liberdade para quem?

Economia

Liberdade para quem?

Elon Musk pagou US$ 44 bilhões pelo Twitter, mas seus problemas são muito maiores de que só encontrar um jeito de fazer o upside financeiro da rede social

2023, o ano do Defi 3.0?

Tendências

2023, o ano do Defi 3.0?

Projetos FaaS (Farming as a Service) pedem passagem no universo das finanças descentralizadas