s
A demanda por plataformas de saúde mental e por uma liderança baseada em empatia está crescendo em um cenário em que já se fala em transtornos de estresse pós-covid Crédito: Pixabay
TENDÊNCIAS

Startups ajudam empresas a priorizar a saúde mental

Com soluções que facilitam o acesso ao atendimento psicológico e até medem o risco de desenvolvimento de uma doença mental, as startups ajudam as companhias a minimizarem seu impacto na saúde mental dos funcionários

Em 2022, o Burnout passou a ser classificado como um “fenômeno ligado ao trabalho" pela OMS. No texto da CID 11, que entrou em vigor em 1º de janeiro, a síndrome foi oficializada como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso”. Antes, era considerada um problema na saúde mental e um quadro psiquiátrico. A mudança deve acender um alerta para as empresas, que precisam se atentar ainda mais aos seus impactos na saúde mental dos trabalhadores. Com soluções digitais, as startups surgem como aliadas nessa jornada de prevenção das doenças mentais no ambiente de trabalho.

“É possível observar um paralelo com os distúrbios osteomusculares ocupacionais. Nas últimas décadas, foram criados mecanismos de segurança, leis, equipamentos de proteção individual e ginástica laboral porque era preciso reduzir o impacto do trabalho na saúde. Muitas pessoas eram afastadas por essas doenças. Na indústria criativa de hoje, o cérebro está sendo constantemente estimulado e as doenças mentais devem ser cada vez mais reforçadas como algo oriundo da relação com o trabalho. As empresas precisam se preocupar com esse tema ou vão ficar para trás. O assunto precisa deixar de ser um estigma”, afirma Rui Brandão, médico, CEO e Cofundador da startup Zenklub.

A importância da saúde mental nas empresas em 2022 vai além da mudança de classificação do Burnout. Cada vez mais, manter os bons funcionários também vai depender de boas práticas nesse tema. O relatório Business Bets 2022, da consultoria Sparks and Honey, aponta que a demanda por plataformas de saúde mental e por uma liderança baseada em empatia está crescendo em um cenário em que já se fala em transtornos de estresse pós-covid.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Seus dados estão prontos para a IA?

Inteligência Artificial

Seus dados estão prontos para a IA?

A pressão está aumentando para que as empresas criem arquiteturas de dados que alimentem totalmente as transformações impulsionadas pela inteligência artificial

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Economia

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Relatório da Movile em parceria com o Distrito indica crescimento do ecossistema latino de inovação e mostra como a região já recuperou de crises anteriores.

O negócio do BizOps? Alinhar estratégia e execução orientado por dados

Inteligência Artificial

O negócio do BizOps? Alinhar estratégia e execução orientado por d...

A função não existe sem fluência de dados, para melhorar a tomada de decisão e otimizar processos

A menopausa é uma oportunidade pouco explorada no mercado de femtechs

Tendências

A menopausa é uma oportunidade pouco explorada no mercado de femtechs

A menopausa é inevitável, mas os tabus com o tema afastam empreendedores e investidores das oportunidades desse mercado.

Q-commerce é sobre experiência: “a batalha se ganha na recorrência”

Startups

Q-commerce é sobre experiência: “a batalha se ganha na recorrênci...

Oferecer uma boa experiência para os consumidores é prioridade na Daki e a chave para se destacar em um segmento marcado por baixas margens de lucro

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z