s
PRIVACIDADE

Seu chatbot está em conformidade com a LGPD?

Ferramentas de comunicação automatizadas que simulam o atendimento humano também precisam obedecer os requisitos de privacidade e segurança da lei

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) prevê que o tratamento de dados pessoais é permitido quando necessário para o cumprimento de um contrato do qual o consumidor seja parte. Isso, teoricamente, liberaria os chatbots da conformidade com a legislação. Porém, ela também diz que a comunicação sobre tratamento de dados deve ser feita de forma transparente. Por isso, muitos profissionais da área de privacidade recomendam que as empresas que usam robôs de conversação em suas interações façam uma análise jurídica detalhada para verificar possíveis desconformidades com a lei.

Além de prejuízo financeiro, a não conformidade com a lei pode impactar a reputação da organização com a publicização da infração, e o bloqueio ou a eliminação dos dados pessoais referentes ao caso que estiver sendo apurado. Por isso, todo o cuidado com o tema.

"É preciso explicar sobre a política de privacidade da empresa, sobre os canais de atendimento e confirmar se a identidade da pessoa que busca a interação com os aplicativos de comunicação é a correta", explica Patrícia Peck, sócia-fundadora do Peck Advogados e membro-titular do Conselho Nacional de Proteção de Dados (CNPD). “Toda interface com tratamento de dados pessoais de titulares precisa informar isso. Não importa se é a recepção de um prédio, uma página web, um telefonema atendido por uma URA, ou um chatbot, seja ele receptivo ou ativo”, diz.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Desafios para um futuro com Chatbots

Inteligência Artificial

Desafios para um futuro com Chatbots

Softwares que usam IA para conversação serão cada vez mais presentes no atendimento ao consumidor no ambiente digital

Por Redação The Shift
Conversar com o cliente é cada vez mais importante

Customer Experience

Conversar com o cliente é cada vez mais importante

Empresas que reforçaram estratégias de conversational commerce, como extensão do conversational marketing, aumentaram suas taxas de conversão

Por João Ortega
Um bilhão de conversas

Entrevista

Um bilhão de conversas

Mais de 20 anos depois da criação da Take, Roberto Oliveira ainda acredita em simplificar a vida dos consumidores. Sua aposta na internet conversacional rendeu aporte de US$ 100 milhões, o primeiro da história da companhia

Por Silvia Bassi