s
Crédito: Shutterstock
O SHIFT DA QUESTÃO

Quem ganha com a Economia dos Criadores?

Quantos likes teve seu último post? E como foi o impacto do seu comentário que movimentou amigos e fãs? Agora, imagine que assim como você, há milhões de pessoas postando conteúdos todos os dias. É dessa possibilidade de ganhar visibilidade, de ter uma voz que a Creator Economy tira sua força. Quem entender e abrir novas frentes pode liderar o mercado pós-pandemia.

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida 16/10/2021

Conteúdo

 

Para começar, alguns milhões de pessoas no mundo todo, que utilizam plataformas de produção de vídeo, áudio, newsletters, podcasts, redes sociais e marketplaces, para distribuir suas criações digitais e físicas diretamente para um contingente gigante de espectadores, fãs e consumidores. Em uma definição de amplo espectro, a Creator Economy (em português, Economia dos Criadores) abraça produtores de conteúdo, influencers e pequenos empreendedores, que monetizam suas obras, online, ancorados em plataformas e marketplaces.

Se juntarmos só criadores digitais e influencers, o número mágico é 50 milhões de pessoas, repetido em diferentes pesquisas sobre o tema (você lê mais abaixo os detalhes), que movimentam uma economia estimada em mais de US$ 100 bilhões anuais. Mas só 2 milhões, desse total, realmente ganha dinheiro para se sustentar. O resto corre atrás.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O que são gêmeos digitais?

O Shift da Questão

O que são gêmeos digitais?

Réplicas virtuais de sistemas físicos que podem modelar, simular, monitorar, analisar e otimizar constantemente o mundo físico, e estão no centro da inovação nessa era digital

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio e Rosane Serro

Entrevista

"Tudo que fazemos em inovação é para a agenda de sustentabilidade"

Com o lançamento de um fundo de corporate venture capital de US$ 70 milhões, a Suzano sai em busca das Deep Techs para acelerar sua estratégia de "inovabilidade", explica Julio Ramundo.

Nem todo verde é green

Sustentabilidade

Nem todo verde é green

Autoridades de vários países aumentam o cerco contra o greenwashing. O Brasil segue sem um arcabouço regulatório satisfatório que mapeie todo o ciclo do processo, contando apenas com medidas isoladas.

Hora de desconfiar de tudo e todos

Tendências

Hora de desconfiar de tudo e todos

Os deepfakes criam um campo de distorção da realidade que ameaça adversamente a política, os negócios e a percepção da história e podem até serem usados ​​em aplicações militares. Acione seus radares.

Como queremos que os robôs sejam?

Robótica

Como queremos que os robôs sejam?

Isaac Asimov já estava impaciente. As pesquisas a respeito da interação homem-máquina avançam e estamos passamos do estágio da automação para o de autonomia. Mas como lidar com essa complexidade?

O que esperar do Open Finance?

O Shift da Questão

O que esperar do Open Finance?

Muito além de mudanças regulatórias, estamos diante de uma transformação que abrirá um mundo de oportunidades para e em parceria com o setor financeiro