s
A IA pode ajudar na carreira, ou não? Fonte: Adobe
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Quão justa é a IA do seu RH?

A expansão da inteligência artificial nas tarefas de recursos humanos vem aumentando a preocupação com vieses de algoritmos e desencadeando uma série de iniciativas para combatê-los

Primeiro, Nova York aprovou uma lei regulando o uso da inteligência artificial para contratações, com início de vigência previsto para 2023. Depois, empresas do porte da American Express, Deloitte, General Motors, IBM, Mastercard, Nielsen e Nike, decidiram fundar a  Data and Trust Alliance, dedicada à combater o viés algorítmico em seus processos de contratação. Agora, o Fórum Econômico Mundial acaba de lançar o seu “kit de ferramentas” para promover o uso responsável de IA pelo pessoal de Recursos Humanos”.

O interesse do RH em ferramentas de IA é crescente. Mas também é crescente a apreensão de que em vez de ajudar a gerenciar talentos de maneiras mais eficazes, justas e eficientes, a tecnologia provoque efeito contrário, aumentando os riscos operacionais, legais e de reputação. Os desafios passam por 5 pilares básicos para aplicações de IA - transparência, explicabilidade, justiça, robustez e privacidade -, bem como exemplos de IA confiável.

Todos precisam ser cautelosos com as práticas de triagem automatizada para recrutamento e seleção. Mas a IA está cada vez mais presente em toda a jornada do empregado, do onboarding ao offboarding. Prova disso: 85% dos mais de 14 mil participantes da pesquisa anual da Oracle sobre IA no trabalho desejam hoje que a tecnologia ajude a definir seu futuro e impressionantes 82% acreditam que os robôs podem apoiar o desenvolvimento de suas carreiras melhor do que os humanos. Além disso, 75% fariam mudanças na vida com base nas recomendações do robô. E muitos acreditam que a IA tem a capacidade de potencializar suas experiências.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como tornar o recrutamento de talentos mais diverso (de verdade)

Carreira

Como tornar o recrutamento de talentos mais diverso (de verdade)

Uma parte das empresas já enxerga que tornar seu recrutamento mais diverso e inclusivo é uma mudança necessária com enormes ganhos no longo prazo

Por Soraia Yoshida
É hora de ter sensibilidade e cuidar das pessoas

Entrevista

É hora de ter sensibilidade e cuidar das pessoas

Frederico Lacerda, fundador da Pin People, defende que, mais do que nunca, o People Analytics pode ajudar as empresas a apoiar os colaboradores remotos e cuidar da cultura organizacional

Por Cristina De Luca
Design Justice pode transformar a sociedade

Tendências

Design Justice pode transformar a sociedade

Conceito defende um olhar crítico sobre o desgin, para que deixe de perpetuar as estruturas de poder existentes, tornando-se mais equitativo e inclusivo. Materializa o desejo do design para todos

Por Cristina De Luca