s
No dia a dia, ter uma conexão com a internet representa oportunidades de emprego e desenvolvimento pessoal e profissional Crédito: Freepik
ECONOMIA

Quanto o mundo perde com a falta de conexão para mulheres?

A conectividade também esbarra em questões de gênero e impacta desenvolvimento, educação e empregos

Por Soraia Yoshida 18/10/2021

Quando mulheres e meninas não têm acesso à internet, a economia perde. Quanto? De acordo com o relatório “The Costs os Exclusion: Economic Consequences of the Digital Gender Gap“, divulgado pela World Wide Web Foundation, 32 países subdesenvolvidos e em desenvolvimento perderam US$ 1 trilhão nos últimos dez anos ao não ajudar mais mulheres a se conectar. Entre esses países estão Índia, Nigéria e Filipinas.

Nesses países, aponta a fundação, pouco mais de um terço das mulheres teve acesso à Internet, em comparação com quase metade de todos os homens. E ainda que a conectividade represente um papel cada vez mais importante nas nossas vidas, essa divisão não dá sinais de diminuir. Vale lembrar que com a chegada da pandemia, a internet representou a possibilidade de educação à distância, fazer pedidos para evitar contato direto e até entender quais os cuidados para saúde. E no dia a dia representa oportunidades de emprego e desenvolvimento pessoal e profissional. Na última década, a diferença entre o número de mulheres e homens online caiu apenas meio ponto percentual, afirma a pesquisa da Web Foundation.

Ampliar as oportunidades de conexão para mulheres deveria ser uma prioridade das nações que buscam recuperar suas economias do choque da Covid-19, segundo o relatório.  A World Wide Web Foundation foi criada pelo cientista de computação Tim Berners-Lee, o mesmo que criou a World Wide Web.

Receba grátis nossa newsletter

Não é o único estudo que aponta desigualdades de gênero. De acordo com um estudo global recente, as mulheres casadas não ganham o mesmo valor que seus maridos. Mesmo nos países nórdicos, que possuem os níveis mais baixos de desigualdade entre os gêneros, os ganhos das mulheres ficaram 50% abaixo. Uma das razões: as mulheres desempenham a maior parte do trabalho doméstico e dos cuidados não remunerados.

De acordo com um relatório da Organização Internacional do Trabalho de 2018, as mulheres desempenham 76,2% do total de horas de trabalho não remunerado, mais de três vezes mais que os homens. Na Ásia e no Pacífico, esse índice sobe para 80%.

O novo relatório só traz más notícias? Não. A desigualdade intrafamiliar diminuiu 20% entre 1973 e 2016, as quatro décadas que os pesquisadores estudaram. Mas ainda está longe de ser uma boa notícia.

A Black Friday é a hora de colher os frutos das estratégias de IA

Inteligência Artificial

A Black Friday é a hora de colher os frutos das estratégias de IA

A inteligência artificial ajuda a oferecer uma melhor experiência para o consumidor por permitir que a marca conheça a fundo o cliente. Assim, as empresas se destacam da concorrência na Black Friday.

Por Marina Hortélio
Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Tendências

Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Pesquisa do PayPal aponta que as compras online vão continuar relevantes após a pandemia, por isso, as marcas precisam adotar uma estratégia multicanal

Por Marina Hortélio
No will bank, a meta é mudar a relação entre pessoas e bancos

Entrevista

No will bank, a meta é mudar a relação entre pessoas e bancos

O banco digital quer que o mundo das finanças deixe de ser um bicho de sete cabeças ao resolver os problemas de quem tem conta e também dos desbancarizados

Por Marina Hortélio
M&A: as startups vão às compras

Inovação

M&A: as startups vão às compras

No primeiro semestre de 2021, as startups ultrapassaram as empresas tradicionais na quantidade de fusões e aquisições de startups pela primeira vez

Por Marina Hortélio
O boom das criptomoedas atrai empresas para o setor

Inovação

O boom das criptomoedas atrai empresas para o setor

De olho em novos investidores, o BTG Pactual vai lançar uma plataforma de criptomoedas. É o primeiro banco nacional a fazer esse movimento, mas outros players estão de olho

Por Marina Hortélio
Quanto o mundo perde com a falta de conexão para mulheres?

Economia

Quanto o mundo perde com a falta de conexão para mulheres?

A conectividade também esbarra em questões de gênero e impacta desenvolvimento, educação e empregos

Por Soraia Yoshida