s
O logo dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020: pandemia afetou o evento, mas a tecnologia compensou Crédito: Fotos Públicas
O SHIFT DA QUESTÃO

Qual é o legado tecnológico da Olimpíada de Tóquio?

Os Jogos de Tóquio devem deixar uma herança de que a tecnologia pode nos fazer melhores, mais rápidos, enquanto nos oferece imagens construídas a partir de dados e nuvem

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio e Soraia Yoshida 07/08/2021

Conteúdo

 

É grande, talvez maior do que possa parecer à primeira vista. Se os Jogos Olímpicos do Rio sinalizaram uma preocupação com a sustentabilidade e o destino do planeta, desta vez a preocupação se estendeu desde o grid de energia (com painéis solares) a um sistema alimentado por hidrogênio para abastecer a vila olímpica. O conteúdo que alimentou toda a transmissão foi apoiado : dos sensores conectados aos atletas até um sistema completo que não só foi capaz de mostrar o movimento ao vivo, mas como deveria ser em sua perfeição de algoritmos. Tudo transformado em análise para os comentaristas e para os espectadores maravilhados com a façanha humana e das máquinas.

Essas novas tecnologias devem fazer seu replay em novos serviços que rapidamente estarão disponíveis. Imagine que daqui a algum tempo, apps e academias poderão mostrar não apenas como fazer o exercício, mas qual a sua melhor performance. Os novos tênis serão capazes de impulsionar as passadas de dos corredores de fim de semana. E complexos esportivos privados poderão ser a última novidade para quem quer se ver no telão, atletas modernos que poderão sentir o thrill do que é competir em uma olimpíada.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Vai continuar faltando chip. E agora?

O Shift da Questão

Vai continuar faltando chip. E agora?

A projeção é que a escassez de semicondutores melhore no segundo semestre deste ano, mas vai continuar até 2023

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida
Como aprender melhor e mais rápido em 2022?

O Shift da Questão

Como aprender melhor e mais rápido em 2022?

Em um mundo cada vez mais acelerado e repleto de mudanças, a ciência pode ajudar a encontrar a maneira de fazer seu cérebro reter conhecimento em menos tempo

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida
O futuro do aprendizado será personalizado e híbrido

Aprendizagem em 2022

O futuro do aprendizado será personalizado e híbrido

Um implante cerebral pode nos tornar mais inteligentes. O metaverso, mais interessados. E todas as tecnologias, juntas, proporcionar métodos personalizados de aprendizagem. Será bom?

Para onde vai a Impressão 3D?

O Shift da Questão

Para onde vai a Impressão 3D?

Casas instantâneas, peças de reposição por demanda, órgãos humanos artificiais, bife e chocolate? Pelo andar da carruagem, é possível prever que em breve haverá uma impressora 3D (ou um produto dela) no seu caminho. E até fora del...

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida
O 5G chegou. E agora?

O Shift da Questão

O 5G chegou. E agora?

A nova tecnologia deve acelerar o avanço em áreas como logística, telemedicina, produção industrial. Mas chega atrasada. Dá para recuperar o tempo perdido?

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida
Quem ganha com a Economia dos Criadores?

O Shift da Questão

Quem ganha com a Economia dos Criadores?

Quantos likes teve seu último post? E como foi o impacto do seu comentário que movimentou amigos e fãs? Agora, imagine que assim como você, há milhões de pessoas postando conteúdos todos os dias. É dessa possibilidade de ganhar visi...

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio, Silvia Bassi e Soraia Yoshida