s
O logo dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020: pandemia afetou o evento, mas a tecnologia compensou Crédito: Fotos Públicas
O SHIFT DA QUESTÃO

Qual é o legado tecnológico da Olimpíada de Tóquio?

Os Jogos de Tóquio devem deixar uma herança de que a tecnologia pode nos fazer melhores, mais rápidos, enquanto nos oferece imagens construídas a partir de dados e nuvem

Por Cristina De Luca, Marina Hortélio e Soraia Yoshida 07/08/2021

Conteúdo

 

É grande, talvez maior do que possa parecer à primeira vista. Se os Jogos Olímpicos do Rio sinalizaram uma preocupação com a sustentabilidade e o destino do planeta, desta vez a preocupação se estendeu desde o grid de energia (com painéis solares) a um sistema alimentado por hidrogênio para abastecer a vila olímpica. O conteúdo que alimentou toda a transmissão foi apoiado : dos sensores conectados aos atletas até um sistema completo que não só foi capaz de mostrar o movimento ao vivo, mas como deveria ser em sua perfeição de algoritmos. Tudo transformado em análise para os comentaristas e para os espectadores maravilhados com a façanha humana e das máquinas.

Essas novas tecnologias devem fazer seu replay em novos serviços que rapidamente estarão disponíveis. Imagine que daqui a algum tempo, apps e academias poderão mostrar não apenas como fazer o exercício, mas qual a sua melhor performance. Os novos tênis serão capazes de impulsionar as passadas de dos corredores de fim de semana. E complexos esportivos privados poderão ser a última novidade para quem quer se ver no telão, atletas modernos que poderão sentir o thrill do que é competir em uma olimpíada.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O arrastão FTX coloca em xeque o mercado de criptoativos

Blockchain

O arrastão FTX coloca em xeque o mercado de criptoativos

Um CEO irresponsável, falcatruas a rodo, um conjunto de práticas de má governança e está pronta a bomba que pode arrasar mercados num efeito-dominó

2023: o ano em que o ESG será prioridade

Sustentabilidade

2023: o ano em que o ESG será prioridade

Os líderes ESG podem se preparar porque, no ano que vem, finalmente, a governança ambiental e social será alçada ao papel de protagonista dos negócios. Porém, o salto para a realidade sustentável implicará em um gerenciamento muito...

Emergência climática: fim das conversas. Hora de agir

Sustentabilidade

Emergência climática: fim das conversas. Hora de agir

A COP 27 realizada em Sharm el-Sheikh, no Egito, ocorre num momento crítico, em que os esforços para limitar o aumento da temperatura global em 1,5°C têm sido insuficientes

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Entrevista

Habilidades socioemocionais preparam as empresas para o futuro

Filip De Fruyt, Professor da Universidade de Ghent, na Bélgica e membro do conselho científico do eduLab 21, do Instituto Ayrton Senna, explica, em entrevista exclusiva à THE SHIFT, que perfis profissionais estão mais aptos a enfrentar...

Frustração domina o metaverso

Tendências

Frustração domina o metaverso

O Horizon Worlds tem se mostrado um ambiente cheio de bugs, impopular até com os funcionários da Meta. Outras plataformas imersivas também se encontram vazias

ESG para um desenvolvimento sustentável

Sustentabilidade

ESG para um desenvolvimento sustentável

Executivos brasileiros de empresas com faturamento igual ou superior a R$ 200 milhões anuais se reúnem para discutir a governança corporativa dentro do cenário distópico da crise climática mundial