s
VTEX fez IPO na Nyse na semana passada Divulgação

ECONOMIA

Os passos internacionais da VTEX após o IPO

Em 21 anos, a companhia realizou 15 fusões e aquisições e não descarta fazer mais transações do tipo

Quase uma semana depois de estrear na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), as ações da VTEX continuam acima do valor inicial de US$ 19 — o preço de estreia já foi maior do que o teto da faixa de US$ 15 e US$ 17. Os papéis fecharam a segunda-feira (26/07) a US$ 24,12. No mesmo dia, o Market Cap da empresa ficou em US$ 4.517 bilhões. O IPO é considerado um sucesso e abre portas para uma internacionalização ainda mais acelerada da companhia brasileira.

“A gente já vem planejando o IPO há cinco anos, era um passo natural. Temos mais receita fora do Brasil do que no país e somos muito fortes na América Latina. Nós entendemos que o mercado também estava no momento certo. A demanda do IPO foi superior a 25 vezes o book e investidores qualificados do mundo inteiro, fundos soberanos e fundos de longo prazo, que normalmente não investem em empresas originadas na América Latina, entraram. Eles enxergaram a VTEX como empresa global”, afirma o coCEO da VTEX, Mariano Gomide, em entrevista à The Shift.

A escolha da Bolsa de Nova York também é vista como uma opção natural para a empresa. Já a opção dos investidores de dobrar a aposta na companhia e comprar ações ao invés de vender as participações foi uma novidade bem-vinda — Constellation, Lone Pine, Soften e Tiger aproveitaram a oportunidade para garantir uma fatia maior da VTEX.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Com concorrência de bancos digitais, insurtechs reinventam os seguros

Fintechs

Com concorrência de bancos digitais, insurtechs reinventam os seguros

Enquanto as fintechs usufruem de UX em bases já consolidadas de usuários, startups nativas do mercado inovam na proposta de valor

Por João Ortega
Como desbloquear o poder transformador das startups

Startups

Como desbloquear o poder transformador das startups

Ter ética, integrar um ecossistema e atuar com justiça, equidade, diversidade e inclusão são as dicas do Fórum Econômico Mundial para ampliar o impacto das empresas

Por Redação The Shift
Como, onde e por que as startups morrem

Startups

Como, onde e por que as startups morrem

Problemas com product-market fit são apontados como principal razão para o fracasso, segundo estudo da Failory. Daí a importância de saber a hora de pivotar o negócio

Por João Ortega