s
Jose Morales Head de Global Field Operations da Atlassian

ENTREVISTA

Jose Morales: O futuro do trabalho é assíncrono

E aí veio a pandemia e todos tivemos que trabalhar de casa. Mas para muitas das empresas, que sequer cogitavam permitir trabalho remoto em tempos saudáveis, a pandemia teve efeito disruptor imediato.

Por Silvia Bassi 04/04/2020

E aí veio a pandemia e todos tivemos que trabalhar de casa. Mas para muitas das empresas, que sequer cogitavam permitir trabalho remoto em tempos saudáveis, a pandemia teve efeito disruptor imediato: da noite para o dia, ou quase isso, centenas de funcionários conectados tiveram que mimetizar em video calls as práticas do escritório físico, e aí veio o stress pelo excesso de meetings e ligações, e todos estão trabalhando muito mais do que antes.

"Depois que isso acabar, muitas empresas vão ter que lidar com suas percepções de como o trabalho deve ser feito, pois elas vão precisar mudar", diz Jose Morales, Head de Global Field Operations da Atlassian (pronuncia-se Atlas-si-on), a empresa fundada em 2002 por dois jovens australianos, que está por trás das ferramentas de gestão de projetos, programação e colaboração mais conhecidas entre os programadores do mundo todo: Jira, Trello e Bitbucket, entre outras.

A própria Atlassian mudou sua rotina, diz Morales. "Somos por definição uma empresa altamente distribuída mas não necessariamente uma empresa altamente remota". Mas a diferença entre ser remoto e ser distribuído tem um peso enorme na produtividade e é esse ponto que Morales sinaliza nessa entrevista, concedida à The Shift no meio do Summit anual - virtual, obviamente - realizado pela companhia na semana passada.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

MedRoom: viagens pelo corpo humano com ajuda de VR

Entrevista

MedRoom: viagens pelo corpo humano com ajuda de VR

A startup usa Realidade Virtual para melhorar o aprendizado dos estudantes de saúde e quer usar sua tecnologia para viabilizar um ensino realmente híbrido, como conta o cofundador e CEO da MedRoom, Vinícius Gusmão

Por Marina Hortélio
A neurodiversidade pode ser um ponto forte nas empresas

Carreira

A neurodiversidade pode ser um ponto forte nas empresas

Pessoas com habilidades cognitivas diferentes podem se tornar extremamente produtivas com um ambiente de trabalho desenhado para acomodar suas diferenças

Por Miriam Moeller, Dana L. Ott e Emily Russo, The Conversation

Entrevista

"Os dados são o diferencial para inovar em políticas públicas"

Diogo Souto Maior, diretor de políticas públicas da 99, trabalhou com políticas públicas clássicas, por sete anos, na ONU. No setor privado, diz ele, a velocidade das mudanças e o acesso aos dados fazem o diferencial para promover imp...

Por Silvia Bassi
“Não temos a prerrogativa de dizer ao cliente onde ele tem que consumir”

Entrevista

“Não temos a prerrogativa de dizer ao cliente onde ele tem que cons...

A Wine quer fazer parte da jornada phygital do consumidor que gosta de vinho, com uma plataforma que reúne entretenimento, socialização e e-commerce

Por Soraia Yoshida
Comunicação: um emoji pode significar várias coisas (depende da sua idade)

Carreira

Comunicação: um emoji pode significar várias coisas (depende da sua...

O emoji que você coloca em suas mensagens pode significar algo bem diferente para a Geração Z

Por Soraia Yoshida
O empreendedor como força motriz

Entrevista

O empreendedor como força motriz

A missão da fintech Cora é ajudar o empreendedor a atingir seus sonhos, costuma dizer Igor Senra, um de seus fundadores. Como? Oferecendo produtos financeiros sob medida para eles

Por Cristina De Luca