s
Crédito: (Unsplash/Markus Winkler)
STARTUPS

O bom momento das startups está chegando ao fim?

Demissões e a desaceleração dos investimentos indicam que as startups devem enfrentar mais desafios para fechar a próxima rodada.

2021 foi um ano sem igual para as startups, mas uma onda de demissões no ecossistema de inovação indica que o bom momento pode estar ficando para trás. No país, Facily, QuintoAndar, Loft, Creditas e Liv Up enxugaram o quadro de funcionários nos últimos meses. Cada um dá um motivo para o corte na folha de pagamentos, mas a quantidade de empresas de tecnologia fazendo o mesmo mundo afora indica um problema de liquidez no mercado como um todo. Esse é o momento de segurar as despesas e apresentar resultados.

Somadas, as 5 startups brasileiras demitiram mais de 560 funcionários desde o começo de 2022. Das companhias, Facily, Loft, Creditas e QuintoAndar são unicórnios. As empresas de tecnologia avaliadas em mais de US$ 1 bilhão devem ser as primeiras a sentirem a redução da liquidez do mercado, especialmente aquelas com valuations esticados.

  • Facily: uma lista com profissionais da startup de Social Commerce disponíveis no mercado possui 131 integrantes, mas o número de demitidos pode estar entre 300 e 400, segundo apuração do Estadão. A empresa confirmou ter realizado demissões, que seriam motivadas por mudanças em times na busca constante evolução e eficiência para melhorar a experiência de todos que fazem parte e interagem com a companhia. O corte ocorreu menos de 6 meses depois da Facily ter alcançado o status de unicórnio.
  • QuintoAndar: foram demitidas cerca de 160 pessoas (4% da base de funcionários). A companhia negou estar passando por uma crise, explicando precisar acomodar startups adquiridas nos últimos meses. Uma outra versão não confirmada pela empresa é que os fundos investidores orientaram os cortes para reduzir o gasto de capital em meio às incertezas do mercado.
  • Loft: a proptech desligou 159 funcionários devido ao processo de incorporação da CrediHome. Outros 52 profissionais foram realocados no grupo. A startup afirma que vai manter as contratações e terá um quadro maior de funcionários após as readequações internas.
  • Creditas: a startup afirmou ter reduzido de 40 para 29 pessoas seu time de facilities devido à adoção do modelo de trabalho híbrido e o uso de apenas 15% da capacidade dos seus espaços físicos. Entretanto, fontes ouvidas pelo Pipeline indicam que ocorreram dispensas na Creditas Auto nos meses de fevereiro e março.
  • Liv UP: foram cortados 15% dos funcionários da companhia, o que corresponde a mais de 100 pessoas. A empresa afirmou estar passando por um processo de reestruturação com objetivo de enxugar a operação e focar em necessidades estratégicas frente a um cenário macroeconômico desafiador.

Por mais que outros fatores possam ter pesado nas demissões, não é possível negar que o mercado de startups e venture capital passa por um momento de desaceleração. No Brasil, o Distrito projeta que as startups nacionais devem captar entre US$ 10,7 bilhões e US$ 12,9 bilhões ao longo de 2022. O valor é maior que os US$ 9,4 bilhões aportados nas empresas em 2021, mas indica um crescimento mais fraco já que, no melhor cenário, o total é 37% maior que o do ano passado. Em 2021, foi registrado um aumento do valor captado de 165% em relação a 2020.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

2021: o ano dos unicórnios

Inovação

2021: o ano dos unicórnios

Metade dos unicórnios "puros" brasileiros surgiram em 2021, confira a lista completa

Por Marina Hortélio
Digitalização atrai investimentos para América Latina

Inovação

Digitalização atrai investimentos para América Latina

Com recordes de investimento e surgimento de unicórnios, região está vivenciando os efeitos da segunda e terceira ordens da digitalização

Por Marina Hortélio
Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Entrevista

Um brasileiro nos bastidores da Bolsa de Nova York

Alex Ibrahim, chefe de mercados internacionais da NYSE, sabe antes de muita gente quem vai fazer um IPO. Nessa entrevista, ele fala de Brasil, de América Latina e de como um IPO exige fôlego dos founders