s
Crédito: Pixabay
INOVAÇÃO

Negócios de impacto no interior

Segundo o estudo de 2020 da Global Impact Investing Network (GIIN), o mercado global de investimentos de impacto vale US$ 715 bilhões

Por Silvia Bassi 20/05/2021

Está na hora dos investidores olharem para além da Faria Lima e dos grandes centros urbanos. Algumas centenas de quilômetros, para ser mais exato. No Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental 2021, projeto coordenado pela Pipe.Labo, 36% dos projetos criados por empreendedores sociais aparecem localizados no interior dos estados brasileiros. A maior parte das empresas está na região Sudeste (58%).

“Esses empreendedores têm tem mais dificuldade de caminhar pela jornada, acessar investimentos e programas de aceleração. É fundamental a formação de incubadoras, além de entidades que façam o trabalho de fortalecimento das pequenas cooperativas para que se entendam como negócios e consigam conexão com as grandes indústrias”, diz Lívia Hollerbach, uma das coordenadoras da pesquisa.

Em tempos de ESG (Environmental, Social, and Corporate Governance, em inglês), ignorar essa oportunidade é perder um bonde importante. E se tamanho de mercado vale como incentivo, basta pensar que, segundo o estudo de 2020 da Global Impact Investing Network (GIIN), o mercado global de investimentos de impacto vale US$ 715 bilhões.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como ESG se tornou uma prioridade para investidores

Tendências

Como ESG se tornou uma prioridade para investidores

Desempenho e volume de investimentos em fundos de sustentabilidade cresce no mundo

Por João Ortega
A sustentabilidade chegou para ficar!

Tendências

A sustentabilidade chegou para ficar!

A missão de Ed Morata, da ForFuturing, é ajudar as empresas a enxergar quão profundamente seus negócios estão entrelaçados com questões ambientais, sociais e de governança (ESG)

Por Cristina De Luca
B-Corps: o que são Empresas B e por que estão em alta

Tendências

B-Corps: o que são Empresas B e por que estão em alta

Espalhadas por 70 países, essas empresas atuam em diferentes segmentos, mas juntas sinalizam uma mudança global nas prioridades de negócios

Por Soraia Yoshida