s
Container que faz parte da rede de frio para vacina de Covid-19 Crédito: Divulgação

HEALTHTECH

Manter as vacinas para coronavírus abaixo de zero: o desafio para acabar com a pandemia

O esforço de vacinação em massa exigirá uma rede de frio de vacinas complexa em uma escala nunca antes vista

Por Anna Nagurney, The Conversation 13/11/2020

Assim como um pedaço de peixe fresco, as vacinas são produtos altamente perecíveis e devem ser mantidas em temperaturas específicas muito baixas. A maioria das vacinas para Covid-19 em desenvolvimento – como as vacinas da Moderna e da Pfizer – são novas vacinas baseadas em RNA. Se ficarem muito quentes ou muito frias, elas estragam. E, assim como os peixes, uma vacina estragada deve ser jogada fora.

Então, como as empresas e agências de saúde pública fornecem vacinas às pessoas que delas precisam?

A resposta é algo chamado rede de frio (ou cadeia de frio) da vacina – uma cadeia de abastecimento que pode manter as vacinas em temperaturas rigidamente controladas desde o momento em que são produzidas até o momento em que são administradas a uma pessoa.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a Cyber Week e assine

Por que vacinar o mundo todo vai ser tão difícil e caro

Healthtech

Por que vacinar o mundo todo vai ser tão difícil e caro

Mesmo com a colaboração de organizações internacionais, a falta de equipes treinadas e de locais para estocar as vacinas de forma adequada são barreiras que talvez nem Bill Gates consiga ultrapassar

Por Nicole Hassoun, The Conversation
Remédios mais rápidos e de baixo custo: deixe com a IA

Inteligência Artificial

Remédios mais rápidos e de baixo custo: deixe com a IA

Além de inventar novos medicamentos, a IA está sendo usada para identificar novos alvos – isto é, o local ao qual uma droga se liga no corpo e outra parte importante do processo de descoberta de tratamentos

Por Redação The Shift
Vigilância genômica na linha de frente

Entrevista

Vigilância genômica na linha de frente

A cientista e bioquímica Jaqueline Góes defende a importância da popularização do conhecimento científico para o futuro da nossa sociedade, e da vigilância genômica como ferramenta de prevenção para futuras epidemias

Por Cristina De Luca